Dificil não é lutar por aquilo que se quer,


e sim desistir daquilo que mais se ama.


Eu desisti.


Mas não pense que foi por não ter coragem de lutar,


e sim por não ter mais condições de sofrer.

Publicado por Rodrih às 13:37 | Link do post
Estado de Espírito:

הרב לוריא Yitschac ארי כותבת את זה כדי להסיר את המחלה של חולה הנפש חייב לקחת אותם, לעשות תשובה בצום ו, ו להתמר עם שקי ואפר. הרמב"ם אומר כי "אין שום תשובה בלי סבל." תשובה גורמת סבל. תיקון התהליך כולו דורש כאב. אנחנו בכוונה לפגוע בשר שלנו להרוס את הרצון חטא.

 


 O Santo Ari (Rabi Yitschac Luria) escreve que para remover a doença de uma alma doente deve-se ter arrependimento, fazer penitência e jejum, e enrolar-se com sacos e cinzas. O Rambam diz que "não há arrependimento sem sofrimento". O arrependimento provoca sofrimento. Todo processo do Tikun exige dor. Devemos intencionalmente ferir nossa carne para destruir nosso desejo pelo pecado.אני חי לבד במשך כל כך הרבה זמן, בדידות היא


אכזרית, אבל אולי דרך החסד של כמה אנשים, תודה על כל מה שאתה יכול לעשות לפני היציאה טעויות החיים לנקות כמו הנשמה.


Vivo sozinho por tanto tempo, a solidão é uma punição cruel, mas talvez, graças a bondade de algumas pessoas, graças a tudo que fizeram por mim poderei reaver meus erros antes de ir embora.


הרב לוריא Yitschac-הקודש ארי



Yitschac Ashkenasi בן רבי שלמה לוריא (5294-5332 (1534-1572 לסה"נ)


Yahrtzeit: 5, באב


קבור ב העלמין הישן Tzfat



הרב לוריא Yitschac הוא המכונה ארי, במהלך acronym עבור הרב Eloh Yitschac האלוהי הרב Yitschac.



לא חכם או אחר יחידת פעם נוספת היה זה אות א, כלומר Elo-Hi (האלוהי), הזנת את שמך. זה סימן של מה שהיה contemporaries חשב עליו. דורות מאוחר יותר, חרד, כינוי זה יכול להיות misunderstood, אמר כי היה זה עבור Ashkenasi א, המציין כי משפחתו הייתה ממוצא גרמני. אבל המשמעות המקורית היא נכונה, וכיום, בין קנוניה, Yitschac הרב לוריא נדרשת רק Rabenu Haar HaKadosh [הקודש ארי] או Arizala [את ארי, לזכרו של ברוך].



The teachings של ארי קיבלה מעמד של ראשל"צ [היסוד הרשות]. כל הרגילות ארי היה escrutinizado, ורבים היו מקובלות, גם אם הוא מתנגד קודמות בפועל. את Maguen אברהם (הרב אברהם Gombiner, 1635-1683) מקבל את הרגלי האישי של ארי כפי תקדים משפטי מחייב. בפסק דין של סכסוכים בעלי נשאר בלתי מיושב במשך מאות, שהוא לעתים קרובות את cites של ארי Custom כפי הסופי הרשות.



פלאי של ארי



את ארי נולד בעיר העתיקה של ירושלים בשנת 5294 (1534), שם עכשיו הוא ישן Yishuv מוזיאון בית המשפט. הוא אמר כי הוא עצמו היה אליהו HaNavi שלו sandac Berit. ספר HaKavanot U'Massê ניסים מתעדת את הסיפור הבא:



"היה פעם מדהים Chassidic Erets ב ישראל, הרב שלמה לוריא ... התקשר יום אחד הוא היה לבד בתוך בית הכנסת, ללמוד, כאשר אליהו HaNavi נראה אותו ואמר:" אני נשלח אליך על ידי אדירים כדי להביא לכם את החדשות כי הקדוש אשתו לבדוא הבן, ואתם צריכים לקרוא לו Yitschac. הוא יתחיל לשחרר את ישראל מן kelipot [כוחות של רשע]. דרך נשמות רבות שלו יקבלו את Ticuna. כמו כן הוא נועד לחשוף סודות רבים של תורה להסביר את זוהר. תהילה שלו להפיץ ברחבי העולם. תשמור על עצמך שלא circuncidá את זה לפני שאני בא אל Sandac [אשר יושב ב Kisey אליהו ובטוח הילד במהלך הטקס]. "מסיים לדבר, הוא נעלם.



הרב שלמה לוריא הלך הביתה, אבל לא לחשוף את הסוד לאף אחד, אפילו לא את האישה.


כאשר ארי נולד, הבית היה מלא אור, ועל היום השמיני לקחו לו את בית הכנסת circuncidá זה. אביו נראה בכל מקום, כדי לראות אם אליהו הגיע כפי שהובטח, אך לא נמצאה.



כל התעקש להמשיך לו את זה, אבל הוא ענה כי טרם הגיעו כל האורחים. היה פעם, אבל עדיין לא בא אליהו. אחר כך הוא חשב עם עצמו, bitterly: "החטאים שלי אליו לא יכולים למלא את ההבטחה".



כשהייתי בן חמש עשרה שנה, המומחיות שלו בתלמוד היה להתגבר על כל חכמים במצרים. למרות שהוא נשוי את הבת של הדוד באותו הזמן, שבילה שבע שנים הוא כמעט מוחלט hitbodedut [עצמית מאסר] עם הרב Betzalel Ashkenasi. היה יותר או פחות ערך אז נפח של זוהר הגיע בידיהם. עם זאת זוהר, הוא היה אסיר במשך שש שנים. לאחר מכן הוא הגיע גם רמות גבוהות יותר kedushá - קדושה. הוא עשה את זה במשך שנתיים בבית ליד נהר הנילוס. הוא נשאר מבודד לחלוטין, לא מדברים על כל אדם.



הוא חזר הביתה בערב שבת, ממש לפני אפלולית. אבל אפילו בבית, הוא מבוטא מילה, אפילו לא עם אשתו. מתי זה היה הכרחי לחלוטין לומר משהו שהוא עשה עם מספר מינימלי של מילים, ולאחר מכן דיבר רק את שפת קודש. הוא עשה את זה בדרך להיות ראוי Ruach HaCodesh. לפעמים, עצם אליהו HaNavi הם גילו ולימד אותו את mysteries של תורה. הוא היה גם את ההרשאה של הנשמה שלו על כל הלילה [את שמימי realms].



מארחים של המלאכים welcoming לו לשמור על הדרך המובילה אל academies שמימי. אלה המלאכים ביקש האקדמיה רוצה לבקר. לפעמים הוא בחר רבי שמעון בר יוחאי, ולפעמים ביקר את האקדמיה רבי עקיבא והרב אליעזר הגדול. ביום אחד לעתים הוא גם ביקר את academies העתיק של הנביאים. בשנת 1570, לאחר שהושג בעל רמה גבוהה מאוד של קדושה במצרים, אליהו אמר כי הגיע הזמן ל להסתכם Tzfat. שם הוא נמצא Chayim ויטל, האיש אשר היה לעבור את מפתחות דעה קדומה (Shiv'chey Haar, Haar Toledot).



השיעורים של Arizala הסביר הרב Chayim ויטל


(מבוא שער HaHakdamot):



ארי להעביר את התורה. הוא היה מלא בקי בתנ"ך, משנה, תלמוד, Pilpul, מדרש, Agadir, Maass ו Maass בראשית Merk. הוא היה מומחה בשפה של עצים, ציפורים, ואת הנאום של מלאכים. אני יכול לקרוא את פניהם של באופן שצוין במסגרת זוהר (2:74 b). הוא יכול היה להבחין כי כל כל אדם צריך לעשות, ואת יכולה לראות מה יהיה בעתיד. אני יכול לקרוא את המחשבות של אנשים, אפילו לפני שתזין את המחשבה בחשבון. הוא ידע את העתיד אירועים, ידע כל מה שקורה כאן על פני האדמה, ומה היה decreed בשמיים. הוא ידע את mysteries של Gilgul [גלגול נשמות], מי שנולדו קודם לכן, ומי היה כאן קודם. הוא יכול להסתכל על מישהו ולהגיד לו כמה הוא היה מחובר D'לנו, והיה קשור אדם. אני יכול לקרוא מפתיע דברים [על אנשים] ב את האור של נר או על להבה של מדורה. אנשים עם עיניים והוא יכול לראות את נשמות של צדיק, הן אלה אשר נפטר לאחרונה בתור מי היית חי בימי קדם. עם אלה הוא למד האמיתית mysteries. את ריח של אדם הוא יכול לומר לה לעשות כלום, כי היכולת של נותן את הקדוש זוהר Yenuka [ילד] (3:188 a).


זה היה כאילו כל אלה היו מרוכזים mysteries בפנים, מחכה יופעל בכל פעם שהוא רצה. הוא לא צריך לעשות הוא לבודד אותם לגעת. כל מה שראינו עם העיניים שלנו. דברים אלה לא שמענו מ אחרים. הם היו דברים נהדרים שלא היה לראות על פני האדמה מאז הזמן של רבי שמעון בר יוחאי.




אף אחד זה היה באמצעות קסם, אלוהים אינו מאפשר. יש איסור חזקה נגד אלה Arts. במקום זאת, הוא בא באופן אוטומטי, כתוצאה של הוד קדושתו ואת נזירות, לאחר שנים רבות של מחקר cabalistic טקסטים ישנים וחדשים. אז הוא גדל לו יראת שמים, פרישות, טוהר ואת קדושה, הגענו עד רמת אליהו שבו היא כל הזמן פנו אליו, לדבר איתו "הפה הפה כדי" ללמד אותו אלה mysteries. זה מה שקרה Raavad כפי Recanati אומר.



למרות להשלים נבואה כבר לא קיימת, Ruach הקודש עדיין כאן, שהביעו אליהו. זה כאילו HaNavi אליהו לימד תלמידיו, commenting על הפסוק "Devora היתה נביאה (Shofetim 4:4). "אני קורא כמו שמים וארץ עדים, כי אין אדם, גבר או נקבה, יהודי או לא יהודי, שפחה או ללא תשלום, ניתן להעניק הקודש Ruach על זה. הכל תלוי את מעשיהם" (הרב Chayim ויטל, שער HaHakdamot מבוא , מודפס בתחילת כל המהדורות של עץ Chayim).


 

Rabi Yitschac Luria– o Santo Ari

Rabi Yitschac Luria Ashkenazi ben Shlomo (5294-5332 (1534-1572 EC)
Yahrtzeit: 5 de Av
Sepultado no Antigo Cemitério de Tzfat

Rabi Yitschac Luria é conhecido como o Ari, um acrônimo para Elohi Rabi Yitschac, o Divino Rabi Yitschac.

Nenhum outro mestre ou sábio jamais teve esta letra Alef extra, que significa Elo-hi (Divino), introduzindo seu nome. É um sinal daquilo que seus contemporâneos pensavam dele. Gerações posteriores, temerosas de que este apelido pudesse ser mal interpretado, disseram que este Alef era para Ashkenazi, indicando que sua família tinha origens alemãs. Porém o significado original é o correto, e até hoje, entre os cabalistas, Rabi Yitschac Luria é chamado apenas de Rabenu HaAri HaKadosh [o Santo Ari], ou Arizal [o Ari, de abençoada memória].

Os ensinamentos do Ari receberam o status de um Rishon [autoridade fundamental]. Todo costume do Ari foi escrutinizado, e muitos foram aceitos, mesmo que se opusessem a práticas prévias. O Maguen Avraham (Rabi Avraham Gombiner, 1635-1683) aceita os costumes pessoais do Ari como precedentes legais obrigatórios. Na decisão de disputas que permaneceram não-resolvidas durante séculos, ele cita com freqüência o costume do Ari como a autoridade final.

As Maravilhas do Ari

O Ari nasceu na Cidade Velha de Yerushaláyim em 5294 (1534), onde agora fica o antigo Museu Yishuv Court. Diz-se que o próprio Eliyahu HaNavi foi o sandac no seu berit. O Sêfer HaKavanot U’Massê Nissim registra a seguinte história:

"Houve certa vez um chassid notável em Erets Yisrael, chamado Rabi Shlomo Luria… Um dia ele estava sozinho no Bet Knesset, estudando, quando Eliyahu HaNavi apareceu-lhe e disse: "Fui enviado a você pelo Todo Poderoso para trazer-lhe a notícia de que sua sagrada esposa conceberá um filho, e que você deve chamá-lo de Yitschac. Ele começará a libertar Israel das kelipot [forças do mal]. Por meio dele numerosas almas receberão seu ticun. Ele está destinado também a revelar muitos mistérios da Torá e a explicar o Zôhar. Sua fama se espalhará pelo mundo. Tome cuidado para não circuncidá-lo antes que eu venha para ser o Sandac [que se senta na Kisey Eliyahu e segura a criança durante a cerimônia]." Terminando de falar, ele desapareceu.

Rabi Shlomo Luria foi para casa mas não revelou seu segredo a ninguém, nem mesmo à mulher.
Quando o Ari nasceu, a casa ficou repleta de luz, e no oitavo dia eles o levaram ao Bet Knesset para circuncidá-lo. Seu pai procurou em toda parte para ver se Eliyahu tinha vindo como prometera, mas não o encontrou.

Todos insistiam com ele para que desse prosseguimento, mas ele replicou que ainda não tinham chegado todos os convidados. Passou-se uma hora, mas Eliyahu ainda não viera. Então ele pensou consigo mesmo, amargamente: "Meus pecados devem tê-lo impedido de cumprir sua promessa."

Quando tinha quinze anos, seu conhecimento em Talmud tinha superado todos os sábios no Egito. Embora tivesse se casado com a filha do tio nesta época, ele passou sete anos em quase total hitbodedut [auto-reclusão] com Rabi Betzalel Ashkenazi. Foi mais ou menos nessa época que um inestimável volume do Zohar chegou às suas mãos. Com este Zohar, ele ficou recluso por mais seis anos. Ele então atingiu níveis ainda mais elevados de kedushá – santidade. Isso ele fez durante dois anos, numa casa perto do Nilo. Ali ele permaneceu totalmente isolado, não falando com nenhum ser humano.

Ele voltaria para casa na véspera do Shabat, pouco antes do anoitecer. Mas mesmo em casa, ele não pronunciava uma palavra, nem mesmo com a esposa. Quando era absolutamente necessário dizer alguma coisa, ele o fazia com o menor número possível de palavras, e então, falava apenas no Idioma sagrado. Ele progrediu dessa maneira até tornar-se digno de Ruach HaCodesh. Ás vezes, o próprio Eliyahu HaNavi se revelava e ensinava a ele os mistérios da Torá. Ele também teve o privilégio de sua alma ascender toda noite [aos reinos celestiais].

Hostes de anjos o saudavam para guardar seu caminho, levando-o às academias celestiais. Estes anjos lhe perguntavam que academia desejava visitar. Ás vezes ele escolhia a de Rabi Shimon bar Yochai, e outras vezes visitava as academias de Rabi Akiva ou Rabi Eliezer, o Grande. Numa ocasião ele visitou também as academias dos antigos Profetas. Em 1570, após ter atingido um nível extremamente elevado de santidade no Egito, Eliyahu lhe disse que tinha chegado a hora de ascender a Tzfat. Ali, ele encontraria Chayim Vital, o homem a quem ele estava destinado a transmitir as chaves para a sabedoria antiga (Shiv’chey HaAri; Toledot HaAri).

Os ensinamentos do Arizal explicados por Rabi Chayim Vital
(introdução a Sha’ar HaHakdamot):


O Ari transbordava de Torá. Ele era completamente versado em Tanach, Mishná, Talmud, Pilpul, Midrash, Agadá, Maassê Bereshit e Maassê Merkavá. Era especialista na linguagem das árvores, das aves, e na fala dos anjos. Podia ler os rostos da maneira delineada no Zohar (2:74b). Ele podia discernir tudo que qualquer indivíduo tinha feito, e podia ver o que faria no futuro. Podia ler o pensamento das pessoas, antes mesmo que o pensamento lhe entrasse na mente. Ele conhecia os eventos futuros, sabia tudo que estava acontecendo aqui na terra, e o que era decretado no céu. Ele conhecia os mistérios de Gilgul [reencarnação], quem tinha nascido previamente, e quem estava aqui pela primeira vez. Ele podia olhar para alguém e dizer-lhe como ele estava conectado a D’us, e como estava relacionado a Adam. Podia ler coisas assombrosas [sobre as pessoas] à luz de uma vela ou na chama de uma fogueira. Com os olhos ele perscrutava e podia ver as almas dos justos, tanto aqueles que tinham morrido recentemente quanto os que tinham vivido nos tempos antigos. Com estes ele estudou os verdadeiros mistérios. Pelo odor de uma pessoa ele podia dizer tudo que ela tinha feito, uma habilidade que o Zohar atribui à sagrada Yenuka [criança] (3:188a).
Era como se todos estes mistérios estivessem concentrados dentro dele, esperando para ser ativados sempre que ele quisesse. Ele não precisava isolar-se para fazê-los aflorar. Tudo isso vimos com nossos próprios olhos. Estas não são coisas que ouvimos de outros. Eram coisas maravilhosas que ainda não tinham sido vistas na terra desde a época de Rabi Shimon bar Yochai.


Nada disso era conseguido por meio de magia, Deus não o permita. Há uma forte proibição contra estas artes. Em vez disso, tudo vinha automaticamente, como resultado de sua santidade e ascetismo, após muitos anos de estudo dos textos cabalistas antigos e novos. Ele então intensificou sua piedade, ascetismo, pureza e santidade, até que atingiu um nível no qual Eliyahu constantemente se revelava a ele, falando-lhe "boca a boca", ensinando-lhe estes mistérios. Isso é o que acontecia a Raavad, como declara Recanati.

Embora a profecia completa não exista mais, Ruach HaKodesh ainda está aqui, manifestada através de Eliyahu. É como se Eliyahu HaNavi ensinasse seus alunos, comentando o versículo "Devora era uma profetisa" (Shofetim 4:4). "Eu chamo céu e terra como testemunhas, que nenhum indivíduo, homem ou mulher, judeu ou gentio, livre ou escravo, pode ter Ruach HaKodesh concedido sobre ele. Tudo depende de suas ações" (Rabi Chayim Vital, introdução a Sha’ar HaHakdamot, impresso no início de todas as edições de Etz Chayim).

Publicado por Rodrih às 11:19 | Link do post
Estado de Espírito:

Ah!
Se o mundo inteiro
Me pudesse ouvir
Tenho muito prá contar
Dizer que aprendi...

E na vida a gente
Tem que entender
Que um nasce prá sofrer
Enquanto o outro ri..


Mas quem sofre
Sempre tem que procurar
Pelo menos vir achar
Razão para viver...

Tim Maia

Azul da cor do mar (fragmentos)

Publicado por Rodrih às 10:01 | Link do post
Estado de Espírito:

é uma saudade

é a voz que falta

é o corpo sem tato

 

é a falta que faz

é o cheiro que some

é o gosto sem sabor

 

é a dor da partida

é a alegria da chegada

no sonho na noite

esquecida

 

é o amor que morre aos poucos

é o calor que esfria com o tempo

é o suor que gela a mente

é a mentira que se sustenta no ar

 

é o cansaço da perda distante

é o pensamento que não pára de pensar

é a imaginação que projeta os amores

é a tristeza que não deixa eu viver

 

é a disputa

é a calúnia

é a humilhação

é a ofensa

é o tesão castrado

 

é a falta de perdão

é a riqueza de maldades

é a ingratidão

é a despedida sem tchau

 

é a armação

é a canção

é o esquema armado

e o plano arquitetado

 

é minha mente detonada

é o meu psique arrebentado

é um foda-se para quem sente

é um adeus para quem cala

 

é a falta do amor

é a ligeira tentação

é a dor que consome

é o consumo do coração

 

é tudo isso que maltrata

é mais um pouco eu não sei

é mudo mas fala

é tudo é nada

 

é tudo e foi nada.

Publicado por Rodrih às 14:44 | Link do post
Estado de Espírito:

Eu simplesmente não sei para que vim, porque existo, para onde vou e quais serão minhas lembranças, mas confesso que estou pronto para sair desse plano de vida inútil.

Publicado por Rodrih às 08:56 | Link do post
Estado de Espírito:

 

O que é o TDAH?

 

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Ele se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Ele é chamado às vezes de DDA (Distúrbio do Déficit de Atenção). Em inglês, também é chamado de ADD, ADHD ou de AD/HD.

 

Não existe controvérsia sobre a existência do TDAH?

 

Não, nenhuma. Existe inclusive um Consenso Internacional publicado pelos mais renomados médicos e psicólogos de todo o mundo a este respeito. Consenso é uma publicação científica realizada após extensos debates entre pesquisadores de todo o mundo, incluindo aqueles que não pertencem a um mesmo grupo ou instituição e não compartilham necessariamente as mesmas idéias sobre todos os aspectos de um transtorno.

 

Por que algumas pessoas insistem que o TDAH não existe?

 

Pelas mais variadas razões, desde inocência e falta de formação científica até mesmo má-fé. Alguns chegam a afirmar que “o TDAH não existe”, é uma “invenção” médica ou da indústria farmacêutica, para terem lucros com o tratamento.

 

No primeiro caso se incluem todos aqueles profissionais que nunca publicaram qualquer pesquisa demonstrando o que eles afirmam categoricamente e não fazem parte de nenhum grupo científico. Quando questionados, falam em “experiência pessoal” ou então relatam casos que somente eles conhecem porque nunca foram publicados em revistas especializadas. Muitos escrevem livros ou têm sítios na Internet, mas nunca apresentaram seus “resultados” em congressos ou publicaram em revistas científicas, para que os demais possam julgar a veracidade do que dizem.

Os segundos são aqueles que pretendem “vender” alguma forma de tratamento diferente daquilo que é atualmente preconizado, alegando que somente eles podem tratar de modo correto.


Tanto os primeiros quanto os segundos afirmam que o tratamento do TDAH com medicamentos causa conseqüências terríveis. Quando a literatura científica é pesquisada, nada daquilo que eles afirmam é encontrado em qualquer pesquisa em qualquer país do mundo. Esta é a principal característica destes indivíduos: apesar de terem uma “aparência” de cientistas ou pesquisadores, jamais publicaram nada que comprovasse o que dizem.

 

Veja um texto a este respeito e a resposta dos Professores Luis Rohde e Paulo Mattos:

 

Why I Believe that Attention Deficit Disorder is a Myth

Porque desinformação, falta de raciocínio científico e ingenuidade constituem uma mistura perigosa

 

Sintomas em adultos

A existência da forma adulta do TDAH foi oficialmente reconhecida apenas em 1980 pela Associação Psiquiátrica Americana. E, desde então inúmeros estudos têm demonstrado a presença do TDAH em adultos. Passou-se muito tempo até que ela fosse amplamente divulgada no meio médico e ainda hoje, observa-se que este diagnóstico é apenas raramente realizado, persistindo o estereótipo equivocado de TDAH: um transtorno acometendo meninos hiperativos que têm mau desempenho escolar. Muitos médicos desconhecem a existência do TDAH em adultos e quando são procurados por estes pacientes, tendem a tratá-los como se tivessem outros problemas (de personalidade, por exemplo). Quando existe realmente um outro problema associado (depressão, ansiedade ou drogas), o médico só diagnostica este último e “deixa passar” o TDAH.

Atualmente acredita-se que em torno de 60% das crianças com TDAH ingressarão na vida adulta com alguns dos sintomas (tanto de desatenção quanto de hiperatividade-impulsividade) porém em menor número do que apresentavam quando eram crianças ou adolescentes.


Para se fazer o diagnóstico de TDAH em adultos é obrigatório demonstrar que o transtorno esteve presente desde criança. Isto pode ser difícil em algumas situações, porque o indivíduo pode não se lembrar de sua infância e também os pais podem ser falecidos ou estar bastante idosos para relatar ao médico. Mas em geral o indivíduo lembra de um apelido (tal como “bicho carpinteiro”, etc.) que denuncia os sintomas de hiperatividade-impulsividade e lembra de ser muito “avoado”, com queixas freqüentes de professores e pais.

Os adultos com TDAH costumam ter dificuldade de organizar e planejar suas atividades do dia a dia. Por exemplo, pode ser difícil para uma pessoa com TDAH determinar o que é mais importante dentre muitas coisas que tem para fazer, escolher o que vai fazer primeiro e o que pode deixar para depois. Em conseqüência disso, quem tem TDAH fica muito “estressado” quando se vê sobrecarregado (e é muito comum que se sobrecarregue com freqüência, uma vez que assume vários compromissos diferentes), pois não sabe por onde começar e tem medo de não conseguir dar conta de tudo. Os indivíduos com TDAH acabam deixando trabalhos pela metade, interrompem no meio o que estão fazendo e começam outra coisa, só voltando ao trabalho anterior bem mais tarde do que o pretendido ou então se esquecendo dele.

O portador de TDAH fica com dificuldade para realizar sozinho suas tarefas, principalmente quando são muitas, e o tempo todo precisa ser lembrado pelos outros sobre o que tem para fazer. Isso tudo pode causar problemas na faculdade, no trabalho ou nos relacionamentos com outras pessoas. Nos relacionamentos costumam agir despercebidos de suas responsabilidades com o outro e se não tiverem o apoio de outra parte sucumbirão em suas perdições - fazendo com que ao 'acordarem' para a 'vida' terão agido inconscientemente e poderão entrar em depressão por culpa, angústia e perda.

 

A persistência nas tarefas também pode ser difícil para o portador de TDAH, que freqüentemente “deixa as coisas pela metade”.

Publicado por Rodrih às 10:04 | Link do post
Estado de Espírito:

 

Sem motivo vou vivendo por aí por viver
Meus valores tão confusos reprimidos por você
Troco passos sem sentido pelas ruas sem saber aonde ir
E viver já nada mais significa
Até já me esqueci.
Volto para casa onde eu procuro me esconder
De pessoas que acreditam meus problemas resolver
Mas eu insisto em cultivar sua presença
Mesmo sem você saber
E ainda espero a cada dia sua volta
É só você querer.

As lembranças me chegam sempre em noites tão vazias
E mexem tanto com minha cabeça
Que quando o sono vem o dia já nasceu
A distância me tira pouco a pouco a esperança
De ter você comigo novamente
E reviver aquele nosso grande amor.

Tantos planos, sonhos, feitos em pedaços por você
Que tolice tanto amor desperdiçado por nós dois
E na solidão me agarro a qualquer coisa
Que ainda resta desse amor
Pra sentir sua presença novamente
Seja como for.

 

Roberto Carlos
Composição: Marcio Greyck - Cobel

Publicado por Rodrih às 02:40 | Link do post
Estado de Espírito:

Eu não posso mais ficar aqui
A esperar!
Que um dia de repente
Você volte para mim...

Vejo caminhões
E carros apressados
A passar por mim
Estou sentado à beira
De um caminho
Que não tem mais fim...

Meu olhar se perde na poeira
Dessa estrada triste
Onde a tristeza
E a saudade de você
Ainda existe...

Esse sol que queima
No meu rosto
Um resto de esperança
De ao menos ver de perto
O seu olhar
Que eu trago na lembrança...

Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo...

Vem a chuva, molha o meu rosto
E então eu choro tanto
Minhas lágrimas
E os pingos dessa chuva
Se confundem com o meu pranto...

Olho prá mim mesmo e procuro
E não encontro nada
Sou um pobre resto de esperança
À beira de uma estrada...

Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo...

Carros, caminhões, poeira
Estrada, tudo, tudo, tudo
Se confunde em minha mente
Minha sombra me acompanha
E vê que eu
Estou morrendo lentamente...

Só você não vê que eu
Não posso mais
Ficar aqui sozinho
Esperando a vida inteira
Por você
Sentado à beira do caminho...

Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo...

Larará Larará Lararará

 

Roberto Carlos

Sentado à beira do caminho

(Roberto Carlos & Erasmo Carlos)

 

per Andrea Bocelli

 

Cuanto mas me voy a equivocar, yo no lo se
Si quizás me puedo estar a equivocando otra vez
Cuantas cosas mas me quedan por cambiar
De toda mi amargura
Aceptar la historia de este nuestro encuentro
Es un gran locura

Mi amor ya ven pronto
Yo resisto
Si tu no apareces
Yo no existo,
No existo, no existo

Estoy triste entre la gente que
Hoy pasa por mi lado
La nostalgia de tenerte entre mis brazos
Es mas fuerte que mi llanto

Este sol enciende sobre mi
Un signo de esperanza
La ilusión que tengo
De volverte a ver
Y el tiempo no me alcanza

Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo que eu existo

Luces tiendas coches por las calles
Se confunden en mi mente
Ya mi sombra esta cansada de seguirme
Y el día se muere lentamente

No me queda que volver de nuevo a casa
Y a mi triste vida
Y la vida que he querido darte a ti
Las has hecho migas enseguida

Na na na....

Publicado por Rodrih às 17:43 | Link do post
Estado de Espírito:

 

Sinto tanta saudade daquela sensação de ser amado,
ainda que fosse uma sensação ilusória de momentos

de enganação e exploração, nossa! Como sinto falta
daquela ilusão. Não consigo me adaptar à solidão.

 

Eu dependo de amor para me amar

Eu preciso de amor para me sustentar

Eu me alimento de amor para sonhar

 

Eu preciso de amor

Eu preciso de amar

 

 

Publicado por Rodrih às 09:14 | Link do post
Estado de Espírito:

 

 

 

 

 

A sociedade acredita que é guiada pela moralidade mas isto não é verdade. O premiado diretor de As Horas, Stephen Daldry, mostra novamente toda sua força nesta história de medos e segredos escondidos pelo tempo. Hanna (Kate Winslet) foi uma mulher solitária durante grande parte da vida. Quando se envolve amorosamente com o adolescente Michael (Ralph Finnes)não imagina que um caso de verão irá marcar suas vidas para sempre.

 

O LEITOR foi um filme que me incomodou muito, deixou-me até estressado, numa frustração imensa e também mexeu com meu sofrimento atual.

 

Todo esse desconforto se dá pelo fato de haver uma verdade em que a sociedade que margea Hanna (Kate Winslet) acredita, como a própria Hanna sustenta em detrimento pessoal, a fim de causar o menor estandarlhaço possível.

 

Essa sustentação de Hanna se faz porque ela é triste, solitária, verdadeira e honesta. E ela é julgada, culpada e sofre as consequências dessa verdade, que na verdade não passa de meia verdade ou quase uma mentira.

 

Na minha vida também escondo um segredo que me atormenta e a sociedade que permea a minha vida só enxerga a verdade que na verdade não passa de meia verdade ou quase uma mentira, mas não tenho como sustentar a verdade completa ou acusar a mentira criada, porque como Hanna também sou triste, solitário, verdadeiro e honesto e não quero mais causar polêmica de algo que prejudicará a pessoa que amei.

 

Tanto como Hanna, quanto como Michael (Ralph Finens) acho que vou morrer com a verdade que eu sei que existe e a pessoa que amei sabe que existe, mas ela não assume e prefere viver na bolha de suas fantasias acreditando que suas ações foram inimputáveis e inocentes.

 

Se tudo é o que parece ser, quem é que se importa?

 

 

Publicado por Rodrih às 08:27 | Link do post
Estado de Espírito:
Pontos vermelhos = acessos no mundo!
VISTO POR
fast stats
Get Voip Service
Comentários
Oi Bruno, eaê brow, situação complicada essa hein....
Dúvida muito pertinente :)
Eai irmão,Acontece comigo em meu trabalho, tenho n...
Vivo o mesmo que você.. 14 anos! Desejo que ele mo...
No final, eu também não entendi o que você quis di...
No final embaralhou tudo, ficou tonto.
Priscilla Vicente, obrigado por compartilhar sua f...
Rodrigo vivi 10 anos de tortura com um misógino,ma...
Obrigado por comentar e interagir! É mágico quando...
Muita coisa faz sentido né, muita coisa não perceb...
O-bri-ga-do por comentar e fico feliz por ter gost...
Obrigado gatinha pelo comentário, por ler constant...
Caro Fulanão, obrigado por ler e apreciar o post s...
Olá Anônimo, boa noite, obrigado por comentar, mas...
Ops, dedo nervoso clicou em aprovar e pluft, foi-s...
Ligação foi interrompida por outra que pessoalment...
Texto muito interessante, e acredito que muitas co...
obrigado pelas dicas, vou começar agora em 2017 eu...
Rodrigo, precisei comentar aqui pra agradecer pelo...
Pois eu desejo a você, Rodrigo das Águas mais limp...
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar
 
Mensagens
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
23
28
29
30
31
subscrever feeds
SAPO Blogs