Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

Como estreitar relações.

22.09.18, Rodrih

Resultado de imagem para relações difíceis

Uma das coisas que mais tem me abalado e me entristecido, foi saber o que pensa de fato as pessoas de minhas relações. Umas eu já sabia por elas se posicionarem de tal maneira, ainda que, na minha opinião, fosse um posicionamento antiético. Já outras, que tanto eu prezava, admirava e gostava se revelaram defender um pensamento vil, que me tirou o chão dos pés e me fez sentir sozinho. Estamos passando por uma fase incomum no país, tudo está um caos, estamos à beira de um colapso social, econômico e moral em que pese nessa eleição do dia 07 de outubro de 2018 o marco para dar um basta nesse retrocesso político que vimos tendo desde 1985, quando a esquerda tomou o poder do país, tirando o regime militar da administração pública. Trinta e três anos implantando na memória dos brasileiros de 1980 até os tempos atuais que o que aconteceu foi uma ditadura - o que é uma inverdade. O que houve naquela época é o que está acontecendo hoje em dia, com essa selvageria e promiscuidade comunista em todas as esferas da sociedade. As crianças daquele tempo se tornaram adultos crentes dessa afirmação de que houve uma ditadura no Brasil, mas não houve. O que aconteceu foi um combate constante de comunistas envolvendo cidadãos comuns no jogo de fake news, fazendo com que o Estado se confundisse entre joio e trigo entre a população. Se hoje sabemos que um fake news causa um estrago danado, imagine naquela época em que a Direita não estava preparada para a malícia destrutiva da Esquerda, fazendo-os com que tomassem medidas além da barbárie para localizar e neutralizar os comunistas. Hoje se vê que as pessoas de Direita não se manifestam como os nocivos de Esquerda, porque os esquerdistas de hoje trazem em seu DNA a agressividade, o combate corpo-a-corpo, o enfrentamento, a discórdia, a anarquia e todo barulho que a Direita evita. Não se vê (ainda) pessoas da Direita partindo para o ataque, não se tem notícias de gente da Direita combatendo, porque são pessoas cultas, pensantes, que se posicionam pela intelectualidade e são pacíficos. É onde a Esquerda ganha vantagem e conquista espaço no grito, na agressividade, na subversividade. Mas isso está se nivelando, a Direita não está mais tolerando os afrontamentos e uma nova guerra poderá estourar, do jeito que a Esquerda gosta, principalmente guerra de fake news, apontando para a Direita como ofensiva e agressora, confundindo e enfraquecendo grupos. Lenin, autor do socialismo deixou clara sua posição e conceituação sobre "idiotas úteis" do ocidente, e nem deixando isso escrito os brasileiros esquerdopatas param para refletir e se posicionar de maneira diferente. Então aí entra outra questão, isto é, a ausência do bom caráter, a valorização do assistencialismo público, a preguiça moral e a letargia funcional, a vitimização social e o coitadismo pessoal. Ninguém do Brasil sabe o que é viver em ditadura, mas não precisa se preocupar, basta ir até a Venezuela e se instalar em algum lugar para experimentar o que é estar sob o poder de um só. Para os mais ousados existe a possibilidade de ira à Coréia do Norte e se instalar num quadrado para viver a experiência que lá oferece. Ao regressar ao Brasil (se conseguir sair desses lugares ainda vivo), entenderá que nunca houve ditadura, e vai entender que o comunismo está matando este país gradativamente. Então eu fico sem conseguir encontrar explicação para a mentalidade das pessoas com quem me relacionei por anos, e se manifestam com a ideologia da Esquerda, mesmo vendo o país se afundando numa lama de corrupção, devassidão moral, insegurança total, degradação da educação, da saúde, da cultura em todas as esferas. Há quem diga que tem interesses particulares como a garantia de seu emprego fácil, bem pago, desde que o PT assumiu o controle do país. Há quem se entitula feminista, mesmo sabendo que é uma organização inescrupulosa e imoral. Há quem se decepcione comigo, porque penso e defendo a retomada do país para o crescimento sem corrupção, a educação escolar definitivamente para educar, a valorização da família, a punição impiedosa contra criminosos dentre outros valores em prol de um país melhor, com custo de vida menor. Essas pessoas me causam vergonha e me confundem por causa de eu ter gostado tanto delas, por ter acreditado em suas capacidades intelectuais e por ter me sentido um cara sortudo de tê-las em minha vida. Mas, olha só que frustrante! Há mais esquerdopatas em minhas relações, do que pessoas que pensam como eu penso, acreditam e olham para a realidade do país, e não só para seus próprios umbigos. Sou sapiossexual, pessoas inteligentes me atraem, não só a beleza física, e deparar com essas mentes egoístas me entristece sobremaneira. Então, para justificar o título deste post, estou repensando fazer um upgrade em minhas relações, fazer como os esquerdopatas fazem: radicalizar - com a diferença de não usar do vitimismo para interpelar por uma discussão de autopiedade, porque ninguém é santo, nem o santo em si. Para estreitar relações reflito que terei que me atentar em três fatores básicos: Como é a visão moral, ética, social, econômica e política. Nesse primeiro fator já elimino de manter relações ao perceber que a mente é esquerdopata. Esse tipo de gente não me interessa e quero distância considerável. Como é a visão espiritual, familiar e pessoal. Nesse ponto já percebo se a pessoa é confiável, se tem princípios semelhantes ou próximos dos meus. E como a pessoa reage nos bate-papos. Assim saberei se estou lidando com pessoas de mente expandida, acessível, divertida e flexível. Eu já mantenho poucas amizades, como se não bastasse sou surpreendido com esquerdopatas dentre essas poucas pessoas que me aproximo. Isso é desgastante, não vale a pena nutrir amizade por tantos anos e deparar com essa queda de máscaras depois de tanto tempo. É sofrível, machuca e tornam os dias em tons de cinza. Depois dessas eleições não sei como olharei para essas pessoas novamente com o mesmo respeito e a mesma admiração. Se a Esquerda fosse boa, as escolas seriam para ensinar e aprender com moralidade. Não haveria tantos adolescentes se prostituindo na internet, o público homossexual não cresceria absurdamente nesses últimos anos, a insegurança, a saúde abandonada e o desemprego não seriam a referência desse país tão imenso. O que se vê é tudo o que não se deseja querer para seu filho viver, mesmo assim essa gente só enxerga o próprio umbigo. 

 

Quando a cumplicidade acaba..

22.09.18, Rodrih

foto rachada.png

Quando a cumplicidade acaba você não tem muito o que fazer na relação que está com a pessoa querida. Quando você percebe que não há mais cumplicidade, significa que isso já aconteceu há mais tempo e você só está se dando conta agora. Quando sua relação desmorona, é porque ela já estava ruindo há semanas e você não percebeu porque estava com medo de enxergar a verdade dos fatos, que se percebe bem no comportamento de enfrentamento da outra parte nas pequenas coisas que você comenta. Pare de se iludir alimentando-se das migalhas de um sentimento barato e pequeno, porque nem o sexo sobrevive à essa traição. Quando a outra parte chega a tocar no assunto de que a relação não está legal, acredite, essa pessoa agiu em silêncio por muito mais tempo, o quanto você poderá imaginar. Já matutava, enquanto você sorria sinceramente, ainda que um sorriso sofrido ou cansado, porque a atuação da outra pessoa emana uma energia pesada, que suga a sua e deposita em você o pior dela. Tudo isso sem você saber de nada, só consumindo o veneno energético dado silenciosamente para você inalar, engolir, digerir. Quando a cumplicidade acaba, o desejo se abala, o coração se fecha, a cabeça raciocina e o corpo fica letárgico. São sinais para você perceber que algo está errado ou caminhando para um fim irreversível. Quando a cumplicidade acaba, a outra parte é seu opositor em tudo, e não há nada o que você fale ou defenda que vá convencer de que sua opinião está certa, porque essas pessoas são letais em seus julgamentos e em suas mentes não cabe mais a parceria nem o querer compreender você. Sua razão nada vale, suas experiências de vida, sua opinião, sua capacidade intelectual, sua inteligência e sua maturidade. Nada disso tem peso e disso nada se aproveita, porque a outra parte já destruiu a gôndola de cristal que protegia vocês. Quando a cumplicidade acaba, a relação já acabou há um certo tempo, resta apenas o desejo de atribuir culpas e fazer apontamentos. A hipocrisia está naquela parte que se diz ser calma e não estar proferindo palavras cruéis, nem que está sendo agressiva ou nervosa, que fala baixo e não esboça revolta, não agride nem ofende. É lógico, isso já é de se esperar, porque essa pessoa teve tempo para refletir com calma, agir sorrateiramente, enquanto você a acolhia em seus braços, em seu beijos e em seu colo. Então é normal que, quando você se dá conta da cilada armada, sua reação não seja diferente, que sua resposta seja repulsiva, que a raiva transpareça, que a voz se altere e que a alma se incendeie, se revolte. Você pode, pois não teve tempo para refletir, não pôde pensar sorrateira e silenciosamente, recebeu o baque da situação e ainda tem que bancar a parte isenta de sentimentos e reações para manter o nível. Não, você pode sim explodir, pode sim falar alto, pode sim xingar e vomitar toda sua raiva. Você pode, porque você não é a parte desonesta, capciosa que espreita nas sombras das colunas da casa te observando em sua covardia. Quando a cumplicidade acaba, vai junto a parceria, a amizade, o bem querer e todos os seus projetos, vão as surpresas que não aconteceram e os pensamentos de futuro. Não há outra alternativa, pois essa parte já traiu sua confiança, não merece sua consideração e tampouco seus sentimentos. Age por conta própria, não se aconselha mais com você, ignora sua importância e pouco se importa com suas palavras. Quando você se exaltar com indignação, a outra parte dirá calmamente que fez isso pensando em te poupar, evitando outros aborrecimentos, no seu cinismo destrutivo como se você fosse a parte maluca, que estivesse agindo com devaneio. Não se iluda, quando a cumplicidade acaba, você já está refém da hipocrisia, da dissimulação e da falta de vergonha na cara da outra parte. Se posicione, mostre sua capacidade de percepção, mas não seja covarde se humilhando ou fingindo que não está te atingindo, se afaste, se determine parar ali mesmo e não venda sua alma para quem não a merece ter para zelar por ela, pois já não zelou uma vez, já não zelou outras vezes, não zelará agora principalmente. Quando a cumplicidade acaba, com ela se vão os momentos alegres, as experiências feitas, as opiniões construídas e toda a matemática de vocês. A paixão é souvenir, a consideração é pinduricalho, nada mais tem valor, então se honre, derrube o pilar central da tenda e deixe a lona vir ao chão. Deixe que o tempo limpe, purifique, equalize, amenize e organize o depois. Confie no tempo, se permita nele e não olhe para trás. Não fique esperando as condolências da outra parte, não alimente com sua energia quem não merece sua atenção. Encoraje-se e saia, derrube a ponte que ficar para trás e siga em frente, porque melhor do que estar com alguém que tráia em pensamentos, é andar só em seus silêncios de cada dia. Quando a cumplicidade acaba, acaba consigo tudo o que foi bom, e ficam somente as lembranças, que nunca mais voltarão a acontecer.