Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

E-mail de Simone Ramos à TV Rede Globo

21.02.19, Rodrih

603abfe4-22af-4333-914b-39426a21ceb9.jpg

VALEU, SIMONE RAMOS. FALOU POR TODOS NÓS !!!

Email de Simone Ramos à Rede Globo de televisão e enviado através do site deles.

"Boa tarde, Rede Globo. Não é com satisfação que envio esta mensagem, pois esta empresa esteve presente na minha vida desde a infância, e por muitos anos foi, para mim e todos ao meu redor, referência de jornalismo sério, comprometido e imparcial. 
Ocorre que, ser pensante que sou, não poderia deixar de notar o teor grosseiramente tendencioso com o que noticiam todo e qualquer acontecimento envolvendo o sobrenome Bolsonaro. 
Creio que vale lembrar que, neste exato momento de nossa história, este senhor é o Presidente da República, (dos que gostam e dos que não gostam) e isto, por si só, já deveria ser motivo de respeito e deferência, o que não acontece em NENHUM de seus noticiários. Nota-se claramente a intenção nociva de denegrir, desacreditar e criar um ambiente hostil ao redor do Presidente e dos seus, e isto me causa profunda vergonha. Vergonha real! Daquelas que a pessoa sente o rosto queimar e a vontade de se esconder. 
Bem, para quem defendia a seriedade de suas notícias, hoje é assim que me sinto, com vergonha. Creio que dentro desta empresa, ainda deve haver aqueles que se sentem como eu, mas que presos ao vínculo empregatício que os sustenta, repetem o que lhes mandam os "patrões". É até aceitável, considerando que as contas chegam no final do mês para a esquerda e para a direita, não é mesmo?... 
O que não é aceitável é que vocês entrem em nossas casas chamando idiotas do BBB de heróis, enquanto tentam denegrir uma pessoa que, até este momento, está demonstrando profundo respeito pelo País. 
Não é aceitável que estejam tentando fazer buracos num navio aonde todos nós estamos. Não, definitivamente não é aceitável. 
Bom, certamente não será a minha indignação com sua postura (ou falta dela) que os fará mudar sua forma nojenta de "mostrar a notícia", mas ressalto que este meu pensamento retrata, na melhor das hipóteses, o mesmo pensamento de algumas centenas de pessoas que conheço, e que já desligaram suas tv´s para vocês. 
Informo também que não espero retorno nenhum, se for para dizer frases longas de palavras bonitas e boa maquiagem, pois isso seria perda de tempo. Se quiserem responder com o devido respeito, respondam quando começaremos a falar sobre os filhos do atual presidiário Luiz Inácio Lula da Silva, ou então quando a Globo se pronunciará sobre o rombo bilionário em impostos devidos à Receita Federal? Ou quem sabe, o JN poderia mencionar qualquer coisa que fosse sobre alguns de seus artistas envolvidos com uso suspeito das verbas provenientes da Lei Rouanet. 
Olha aí quanta sugestão de matéria boa e que geraria audiência acima da média, né?! E para finalizar, este mesmo texto será amplamente divulgado nas redes sociais para fins de informação.

Att, Simone Ramos."

(Via Wzap by Thays Pieratti)

Estela Borges Morato x Marighela, o psicopata

21.02.19, Rodrih

Imagem relacionada

"O homem enfrentando suas dificuldades pode mostrar que é homem, aceitando o desafio. As dificuldades serão superadas e a vida valerá a pena ser vivida. Afinal, já conquistamos a Lua." (Estela Borges Morato)

Estela Borges Morato (1947-1969) foi talvez uma das primeiras mulheres concursadas a ingressar no serviço público brasileiro. Durante uma emboscada para prender o subversivo Marighella – na Alameda Casa Branca, próximo ao Centro da capital paulista –, o delegado Fleury deu a voz de prisão ao terrorista Marighella, porém este "heróico" guerrilheiro tentou se esconder atrás de um fusca e seus dois capangas reagiram e alvejaram os agentes do DOPS de São Paulo, inclusive a jovem moça de 22 anos.

Estela veio a falecer dois dias depois, em razão de um tiro na testa. Durante o tiroteio, foi também vitimado o dentista Friederich Adolf Rohmann, que estava dirigindo e nada tinha a ver com a história.

É este Marighella – um psicopata ensandencido cuja "Aliança Libertadora Nacional" (que dois meses antes havia seqüestrado o embaixador norte-americano Charles Elbrick) não teve receio de atirar numa mulher – que o cretino do Wagner Moura pretende homenagear. Depois não entendem por que o Brasil virou uma algazarra sanguinolenta, com uma guerra civil que se alastra há mais de vinte anos, tomando anualmente a vida de 70 mil. Numa nação onde a elite idolatra tipos como Marighella e esquecem o senso patriótico e a coragem de Estela, é natural que a vida humana já não valha nada.

Texto de Gabriel Ceroni Lied

Do perfil Jota Oliveira

Descanse em paz, linda Estela.

 

e-Commerce x Comércio Real

21.02.19, Rodrih

É mentira! Os boatos mais absurdos que se espalharam pela internet

Troquei o e-commerce pelo comércio real. Desde que entrei no EDZ (E-commerce do Zero) empolgado com a prosperidade do "guru" neste assunto, fui tomado do sentimento de que eu também seria capaz de enriquecer com o e-commerce. Fiz até a 5ª lição, sempre desatualizada, quando fui percebendo a realidade das coisas, a malícia da propaganda e a maldade também. Tomado por minha insistente teimosia de formar opiniões, me tornei crítico de mim mesmo e, consequentemente, de tudo à minha volta, e percebi que nem todo santo vai pro céu e nem todo cara de sucesso realmente é bom camarada. A conversa mansa, que dá um ar de bonzinho, na verdade pega os carentes de amor e carinho por refém, e faz com que o bom e velho cartão de crédito emane seus dinheiros para a conta do bom falante. Fui percebendo que é na carência de amor, que se reúnem os numerosos seguidores de um guru de e-commerce, e isso é o suficiente para enriquecê-lo sem dar muito em troca, senão uma crescente vontade de ganhar sua realidade, seu mundo encantado de uma vida próspera e honrosa, que de honroso não tem nada. Ludibriar pessoas com uma promessa de sucesso é desonroso, porque está havendo a venda de ilusão, e não de resultados. Para que possa ter resultados há outra venda, hiper mais cara, super mais arriscada, em que só os dependentes de amor extremo ousam pagar, vendem a alma para isso se preciso, porque a carência não tem preço e a atenção é um ópio inevitável. Vemos o caso do Erico Rocha, que vende expectativas, explora a carência com todo requinte de crueldade, faz pessoas desejarem o sucesso do "guru" da enrolação. O produto de seus cursos é como fazer pagarem por seus cursos, e para isso você só precisa aprender a usar a carência das pessoas. Poucos conseguem fazer sete dígitos aparecerem em suas contas bancárias, porque nem todo mundo tem a arte de olhar nos olhos da pessoa carente e dizer que "é verdade este bilete". É preciso ser cara-de-pau para conseguir vender ilusão. Mas há alguns que são bons no que fazem, como o Bruno Ávila, que realmente ensina o que sabe, vende para quem quer aprender mais, e geram resultados na vida daquele que busca o sucesso. Bruno Ávila não é para os carentes, como faz o outro Bruno, são Brunos diferentes, com pegadas e objetivos distintos. Há um outro mestre ilusionista, um "guru" do dropp shipping, que mostra sua conta bancária como parte da sua arte em iludir o carente desatento. Então percebi que estava seguindo os caras espertos, e não os caras bonzinhos, com excessão de alguns poucos. Infelizmente, muitos seguirão esses "gurus" da esperteza, ficarão quebrados e sem dinheiro, desanimados e sem expectativa, porque é esse o objetivo principal, enfraquecer os que vêm, pois são concorrentes de certa forma. Depois de ver vários seguidores desanimarem do projeto de seguir com o e-commerce é que fui entender como são perversos alguns "gurus" do e-commerce, eles não têm dó de quem paga pouco, não são gratos por quem os paga. Tratam como rebanho ajuntados num cercado e dentre as cabeças berrantes escolhem os que podem pagar mais, e o resto fica ali berrando, se empurrando e morrendo. Assisti alguns "documentários" do poderoso Anthony Robbins, que é outro que ganha fortunas sobre as cabeças dos carentes. Você não encontra muitos gurus que realmente queiram ensinar, sem lhe arrancar todo dinheiro de sua conta, quiçá suas próprias roupas. O conceito é sangrar os que querem vencer, e só quem vende a alma conseguirá a glória. Está certo isso? Eu acho que não. Para mim, isso tudo é extorsão cultural, a cultura do capitalismo selvagem que precifica a felicidade. A felicidade não tem preço, e se esses "gurus" entendessem isso ensinariam sem cobrar fortunas por seus conhecimentos. Por essas e por outras estou retomando meu projeto por ter um comércio real, em que é muito mais difícil de manter, mas é o mais sensato e honroso, já que não precisarei iludir ninguém, apenas apresentar meu trabalho no produto ou serviço real, e compra quem gostar do que vê.

O poder da comunicação

04.02.19, Rodrih

o poder da comunicação.png

Anedota da Experiência
- Por mim.

O poder da comunicação

Estava há pouco num elevador. Um breve "olá" e já dentro estavam duas pessoas que murmuraram um cumprimento asmático.

Fiquei entre a mulher e um rapaz. Apertei meu destino, 2º andar, no painel com destinos marcados para o 8º e 10º. Mal o caixote tomou impulso em sua majestosa lerdeza e um oxigênio abafado ali, falei: "Que calor absurdo é esse?!" olhando para o cidadão ao meu lado, mais receptivo que a mulher - que não tirava os olhos do piso do elevador. Eis que ele começou a dizer: "Muito, mas parece que vai chover amanhã até o dia 15", e a mulher ressuscita "-Sério?! Nossa, tomaaara...".

Chegamos ao 2º andar e a prosa entre os dois sobre o clima. Após um breve até logo, antes da porta se fechar, ouço: "Estava na dúvida, eu acho que conheço você!" disse a mulher ao sujeito. E fui embora, seguindo meu rumo, certo de que nada como quebrar o gelo dentro de um elevador, onde as pessoas o confundem com um caixão e agem como mortas.