Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

No momento estou: CONTEMPLATIVO

03.02.10, Rodrih

Compreendendo as reações à minha maneira

 

 

Tenho notado o quanto o ser humano só pode contar com ele mesmo, caso pretenda superar suas limitações e tristezas.

 

Noto que parece existir em nosso cérebro três setores de atividade mental, no que se refere ao comportamento humano. São setores que entram em funcionamento quando o anterior não é ativado. A não ativação pode ocorrer por estímulos externos ou mesmo por internos e estímulos nem sempre merecem a significância de algo positivo.

 

Então tomo como princípio o primeiro setor mental do comportamento pessoal chamado de Setor Emocional.

 

O setor emocional é o primeiro a se manifestar na reação de um acontecimento. Geralmente costuma levar a situação para um lado apelativo e destrutivo. É quando a pessoa reage sem pensar, por pura emoção e atenta somente para atrair e prender a atenção alheia. Dependendo do estímulo externo, este setor é acionado automaticamente, podendo ser moderado ou exaltado. Se moderado, poderá ser imobilizado para que outro setor ou outros setores sejam acionados, a fim de proporcionar melhor resultado e desfecho.

 

Uma vez que o Setor Emocional é imobilizado ou mesmo não for acionado, um outro setor mental mais apurado se abre, como defino o Setor Racional.

 

O setor racional é o segundo a se manifestar na reação de um acontecimento. Geralmente costuma levar a situação para uma resposta coerente, fria e calculista. É a razão ou raciocínio que propicia uma defesa radical e de efeito instantâneo. Trata-se de uma maneira em que o cérebro reage a um estímulo perigoso, donde uma atitude emocional desestruturaria toda a harmonia psico-corporal do indivíduo. Então agir na razão detonaria seu auto-amor, entretanto preservaria a harmonia geral (corpo, mente e comportamento).

 

Finalmente o Setor Intelectual que seria acionado caso os dois setores mentais anteriores não se enquadrassem para administrar o quadro comportamental da pessoa. Esse setor seria o responsável pelas tomadas de decisões coerentes e inteligentes. Está desprovido de emoções e de raciocínios, porque simplesmente age com base na sua estrutura intelectual, essência do caráter e da conduta de resiliência.

 

É a reação que toma decisões claras e objetivas, sem pestanejar nem duvidar de sua capacidade. Então o indivíduo sabe que tem que agir assim, mas não precisa entender todo o procedimento nem antever os resultados, simplesmente sabe que o caminho a ser percorrido é este. Dessa maneira o corpo sofre o mínimo possível, o cérebro pode descansar sobre as atitudes acionadas pelo intelecto e a mente renova o oxigênio com base na confiança em si mesma de solucionar os problemas a médio e longo prazos.

 

Neste setor intelectual temos dois fatores importantes que se tornam essenciais como moderadores da razão e da emoção, que são o fator auto-policiamento e a projeção saudável. O auto-policiamento é aquele que policia, vigia a mente intelectual e ainda mantém a mente emocional e racional sob controle e manutenção. É a voz que diz "-Calma! Você está no caminho certo..." ou "-Vá deitar-se! Amanhã você pensa melhor sobre esse medo que está sentindo agora..." ou  "- Não tenha pressa! Acalme-se! Não entre em pânico, eu estou aqui com você e não vou abandoná-lo, confie em mim...". Muito embora o emocional tenha sua parcela de participação nesses momentos, porque se tornam necessárias dosagens químicas neurais da sensação ilusória, isto é, a fragrância perfumada de um resultado projetado a médio e longo prazos, para que o intelecto possa desenvolver seu plano sem muita interferência do racional, que seria como a voz que dissesse: "- Minha situação é deplorável! Não vai adiantar ter calma!" ou "- Estou ciente que tudo isso é bobagem e que minha vida está o caos, estou tentando me ludibriar, eu próprio, a mim mesmo, como se isso adiantasse alguma coisa..." Assim, com o controle, o intelectual ganha tempo, deixa que o tempo cure algumas feridas e conserva a mente saudável sem ferí-la nem ludibriá-la, preparando-a para um momento propício de ação.

 

Constantemente o setor racional tem sido minha mais proeminente reação, entretanto tenho permitido que o setor emocional tomasse a frente muitas vezes. Mas o setor intelectual tem sido esquecido, talvez porque nesses momentos que atravesso ainda não tinha entendido os três setores mentais de controle comportamental em mim. Sabendo agora da importância tal qual o setor intelectual proporciona ao meu cérebro e ao meu corpo, podendo ser estendido ao meu espírito, também venho abrindo espaços para que o setor intelectual se manifestasse e finalmente passasse a administrar toda a situação. Como agora que ouço de mim mesmo: "-Calma, Rodrigo... calma... entrar em pânico agora não é inteligente... tenha calma, mantenha sua calma, pois as coisas vão se endireitar...", por exemplo.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.