Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

Aos homens misóginos, a desesperança!

31.03.15, Rodrih

Caros homens misóginos, homens no sentido de gênero masculino e não no sentido de referência de maturidade, força intelectual e orgulho humano. A você homem que agride sua companheira psicologicamente, que comete assédio moral, que se acha o bam.bam.bam na relação: seus dias de machão estão contados!

Esse post é para as meninas, moças, mulheres, lobas e leoas que estão sofrendo na relação com seus companheiros sem noção, agressivos, imperdoáveis, estúpidos, grosseiros, nervosos, indelicados, ignorantes, decepcionantes, ingratos, insensíveis, mesquinhos, egoístas, vulgares etc.. Homens que foram um doce um dia, amorosos, sensíveis, amigos, deliciosos, envolventes, bons filhos e caras bem legais. Homens que fazem cara de coitados, que pedem desculpa, que perdoam, que mandam flores, que começam a tratá-las bem, que prometem que irão melhorar, que se dizem mal compreendidos, que contam histórias tristes etc..

Pois bem, vamos jogar limpo aqui e falar a real sem muita embromação e sem enfeitar para não assustar, nem deixar o clima estranho, então entendam uma coisa muito séria e extremamente importante, que poderá salvar sua vida e, principalmente, a dele também, porque ele, num dado momento poderá mudar o estilo de vida que tem e procurar ajuda psicológica, fazer tratamento e ter uma vida mais saudável. 

Ok, então vamos à verdade verdadeira: Mulheres, preparem suas vidas para sair fora de relacionamentos em que seus companheiros são tudo, menos companhia saudável e amável. Se preparem para saírem da relação e recomeçar uma nova vida sem ele comendo o cérebro de vocês, pois é isso que eles são, zumbis famintos e infectados pela maldade, pela insanidade e são vorazes quando o cardápio são vocês como prato principal. Mas não será para sexo, e sim para consumi-las a alegria de viver, destruir em vocês a boa autoestima, minar a segurança psicológica que vocês têm, envenenar a fé e distorcer suas realidades. Não existe relação amorosa nessa coisa que parece que há. Não, não há! Não se iludam, não se martirizem, não se dêem de graça para a desgraça que a sua vida sem graça está. Não se vendam, não se prostituam, não se diminuam e saiam da relação, qualquer que seja ela, namoro, noivado, casamento ou tico-tico no fubá. Saiam fora e reconstruam suas autoestimas, fiquem sozinhas um tempo, tempo suficiente para que vocês quando olharem ou pensarem nesses retrógrados machos desalmados, que vocês não sintam saudade, nem remorso e tampouco pena. Simplesmente sintam desprezo, pois será o mínimo que esses caras merecerão.

E por que estou tão revoltado assim? Não, não estou revoltado, mas estou alertando e dizendo a verdade para vocês! Esses caras não prestam e nunca prestarão, justamente porque eles aprenderam como se faz para ferir vocês. É como a galinha que bota o ovo e aprende a quebrá-lo com o bico, e depois beber a clara e a gema (exemplo dado em "E por falar em Misógino..." 10/12/2013). Essa galinha nunca mais nessa vida terá conserto, ela só terá um destino: ir para a panela! Assim é o misógino, ele quebrou a casca do ovo e bebeu a gema e a clara, ou seja, a casca do ovo é a proteção da relação, a clara é tudo o que alimenta essa relação, isto é, os sentimentos bons, o afeto, o respeito, a lealdade, a gentileza, o carinho, a segurança, a paz, o tesão, a sexualidade, a sensualidade, o desejo e o prazer. E a gema é o bem mais sagrado da relação, isto é, o amor, o valor e a confiança. Então acreditem, a relação acabou e tome uma atitude de proteção radical. E quando eu digo radical estou dizendo para ser impiedosa mesmo, fria e calculista, porque a partir do momento que você tomar essa decisão terá que estar ciente de que declarou guerra contra seu pior adversário, e ele, impulsionado pela piada que você se tornou fará um escândalo para assustá-la e amedrontá-la, ou se fará de vítima, de coitado. Fique firme, chame a polícia, os bombeiros, a segurança pública. Tire os cachorros de sua casa e ponha cachorros do seu vizinho para rondar os espaços enfraquecendo o acesso do misógino até você. E se ele resolver encarar os bichos, deixe ele se rasgar sozinho, porque um homem misógino é um tipo de doente que é capaz de se ferrar todo só para fazê-la sentir-se mal consigo mesma, se arrepender e se culpar. Deixe-o se lascar, apenas chame os bombeiros e o SAMU para carregá-lo depois. Mas não amoleça, não permita que a culpa lhe tome de refém, será esse o objetivo do misógino, fazê-la sentir-se com remorsos. 

Troque a fechadura e segure uma frigideira na mão.

Se por acaso você tiver condições de sair e se virar fora de sua casa, entenda que se você ficar por mais de 30 dias fora de casa ele poderá fazer um anúncio no jornal dizendo que você abandonou o lar. Nesse caso consulte um advogado antes.

Mas não se iluda! O misógino do seu companheiro nunca será aquele cara legal de novo. Poderá tentar ser, poderá até prometer que será, mas não será. Você também pare de se fazer de vítima ou de coitada, cria vergonha na cara e mude seu modo de pensar e de viver. Saiba que 50% exatos da culpa da relação chegar ao ponto que chegou é sua. E outros 50% exatos são dele, mas geralmente a mulher é a parte mais sensível da relação, principalmente com um parceiro misógino, então planeje sua saída e saia! Não olhe para trás, porque sua relação já está morta e enterrada, mas enquanto você fica nesse lenga-lenga de voltar, acreditar nas promessas, se iludir que ele melhorará, sua relação será somente um zumbi zanzando por aí sem futuro nem presente, vivendo só de passados.

Pense com a cabeça de cima e tome as decisões que você gostaria que sua filha tomasse, supondo que você a tivesse e que o parceiro dela fosse também o agressor psicológico, moral e espiritual da moça.

Espero ter ajudado.

Adicional do autor do blog em 26/06/2016:

O disposto a seguir se trata de um e-mail recebido recentemente de uma moça que se envolveu com um misógino e resolveu navegar pelas tormentas da compreensão, a fim de viver uma grande e dolorosa aventura, e seu nome foi excluído para manter sua privacidade:

boa tarde,
me chamo XXXXX e vivo com um misogino a 8 meses, no começo eu nao etendia o que estava acontecendo ele do nada mudava o temperamento, começava a gritar sem motivo, busquei na internet ajuda para entender o que estava acontecendo e ai consegui  entender o que estava acontecendo, li varias publicações com dicas de como agir.
hoje sei que o problema nao é comigo e sim com ele, hoje falo o que penso pra ele, nossa relação mudou muito.
comprei o livro homens que odiam suas mulheres e esta me ajudando muito, mas ainda algumas vezes fico confusa em como me comportar, sempre espero ele ficar mais calmo para dizer o que penso pra ele, acredito que estou fazendo certo.
conversei com a mae dele e ela o convenceu a buscar tratamento.
quero agradecer a publicação que fizeram para mim foi muito importante, e gostaria que fizessem mais publicações com mais orientações,tenho certeza que como eu existem muitas mulheres que estao passando pela mesma situação e nao sabem o que fazer.
grata,
XXXXX

Resposta:

XXXXXX, boa noite, obrigado por entrar em contato e manifestar sua experiência. Li todas as suas colocações e temo que esteja fazendo escolhas erradas ao nutrir e sustentar a esperança de "curar" um misógino. Conheço diversos casos de mulheres que só adiaram o óbvio, isto é, que não houve cura, e sim um tempo maior de convívio delicadamente amistosos. Oito meses é tão pouco tempo para que este se revelasse tão impaciente com você, geralmente é depois de um ano ou mais, e isso é um sinal que me chama a atenção ainda mais sobre sua boa intenção. Todas as mulheres querem que isso seja algo do passado, mas a natureza do homem misógino é clara e não deixa dúvidas. Mulheres que tentam resgatar o amor* desse tipo de homem, geralmente sofrerão por suas escolhas e deverão viver sempre ansiosas para não serem imprudentes com os seus - teria jeito pior de viver com alguém senão o de sempre ficar atenta com o que e quando dirá alguma coisa? - mas não posso convencê-la de algo, que já está sendo administrado por você, e com tanto amor - ainda que, para mim, seja em vão.

Misóginos são como as mulheres misândricas, isto é, aquelas que odeiam os homens, não há solução. Vemos aí as feministas, mas paciência, neste mundo há lugar para todos.

O problema do seu namorado está com a mãe. O misógino é assim por ter um passado mal resolvido com a mãe, e você será o reflexo da mãe que ele odeia, observe com o tempo - já que me parece estar decidida levar isso adiante e ver no que vai dar. Desejo que tenha sorte na sua empreitada, muito embora eu já posso prever um mar instável na relação de vocês dois.
 
Li o livro e o achei uma catequese de como manter a mulher passiva diante um homem cruel, quem conseguirá entender a um lobo estando na sua frente? 
Mas é isso, no ponto de vista literário para os estudos, o livro é interessante, mas no ponto de vista leigo, para mulheres que sofrem com misóginos, este livro é como segurar uma serpente, e o resultado já é o que sempre foi esperado: dor e sofrimento.

Desculpe a sinceridade, mas prefiro jogar limpo a ter que não ser verdadeiro.
Boa sorte e conte comigo se precisar.
Rodrigo Caldeira
 
Bate papo com Rodrigo Caldeira através de umavezildo@gmail.com (bobagens não serão respondidas)

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Rodrih

    11.09.16

    Sim, você passou 2 anos tendo um cara sem noção, totalmente doente e profundamente nocivo fazendo uma lavagem cerebral na sua cabeça. É um tempo suficiente para detonar qualquer autoestima de alguém. Até mesmo de um animal, o que dirá de uma pessoa, e ainda mais uma mulher apaixonada!? Minha cara eu lhe digo uma coisa: Tudo aquilo que ele disse para lhe ofender não desperdice. Não ignore. Não finja que não foi com você. Pelo contrário, pegue para si, agarre e transforme. Se ele te chamou de burra, faça valer sua inteligência ainda mais! Se ele te chamou de gorda, fique muito mais gostosa e muito mais bonita! Se ele te chamou de incapaz, domine o conceito de liderança, foco e alto astral. Não desperdice nada, afinal você passou dois anos com um cara nocivo te espetando de coisas que você certamente não seja, mas que você poderá fazer por onde para ficar muito melhor. E, cá entre nós, aprenda um esporte de luta como Krav-Magá... você vai sentir toda a diferença... fica a dica e depois me diga se superou a herança que esse bosta deixou na sua vida. ;-) 
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    12.09.16

    Meu caro, ocorre que ele nunca me chamou de nada. Ele fazia outro tipo de violência comigo, muito mais sutil, mas não menos devastadora. Exemplo: quando me acordou me apalpando, até eu ficar ligada, e então levantou e disse "bora tomar café". E tem muitos outros. Ele sabia como o sexo era importante pra mim, e me atacou por aí, negando. De duas por dia, no começo, passou pra 4 por ano. Da pra acreditar? Pois é, entre idas e vindas, pois "terminei" várias vezes, eu me sujeitei a isso. Sei que vou me odiar por isso ainda por um bom tempo, mas vou superar, sim. Ainda mais agora que entendo o que estava acontecendo, porque na minha cabeça, se o cara não sai com outras e insiste em continuar comigo, é porque me ama, mesmo que não faça sexo comigo e passe horas vendo pornô (sem saber que eu sabia). Eu imaginava que ele tinha algum problema do tipo que desassocia amor de sexo, essas coisas. Nunca acreditei nas desculpas dele, mas criava as minhas próprias, sabe? Tive que sair com outro, coisa que não é do meu feitio, até ver esse outro "de quatro" e ter certeza que o problema não era alguma coisa em mim. Mas minha auto-estima do mesmo jeito está no pé, não tenho segurança ou força pra nada, não tenho vontade de rir nem de chorar. Ele me transformou não numa depressiva, felizmente, mas numa pessoa totalmente apática, alheia a tudo que passa ao redor. Mas agora que ao menos sei o que era aquilo, de certa forma me libertei. Não sei se o misógino ama. Ainda não li nada de conclusivo sobre a capacidade ou incapacidade de amar desses doentes malditos, e talvez você saiba responder. Mas de qualquer forma sei que desse tipo de amor eu quero mais é distância, e agora de uma vez por todas. Aos poucos eu sei que voltarei a ser quem eu era e sei que serei capaz de amar de novo, sem traumas. Obrigada!
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.