Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

http://blogdorodrigocaldeira.blogs.sapo.pt

Se trata de um diário pessoal aberto, onde as pessoas podem ler experiências pessoais de vida, de relacionamentos, reflexões psicológicas, sociais ou pessoais.

O Brasil que a maioria (massa de manobra política) merece...

13.08.14, Rodrih
  Caro Anônimo, se quer um país melhor, mostre a sua cara e a dê para bater!      Haja vista que não é um texto de Arnaldo Jabour, crítico-jornalista que aferroa nosso comodismo de pensar e enxergar, fazendo-nos formar opiniões sobre as barbáries no Brasil e no mundo... principalmente no Brasil. Um célebre e renomado profissional a quem devemos ter mais do que respeito, mas também orgulho de suas opiniões sempre benfazejas.   Entretanto, Arnaldo Jabour pode ter cometido (...)

Por que você está só?

26.06.14, Rodrih
  Assim como eu, por que você está só? O que lhe falta ou o que você busca? Está esperando um dia melhor para vir e acontecer? Alguém melhor que possa saciar sua fantasia versus sua vontade de estar bem acompanhado? Quer o melhor do melhor? Está em dúvida sobre quem é que merece ter você por companhia? Não sabe o que você quer de fato? Ou (...)

Acredite, SEXO faz bem!

23.06.14, Rodrih
      Ultimamente tenho percebido o quanto as mulheres estão vulneráveis e confusas com relação a tudo o que as envolve, tanto em família como socialmente. Há uma autocobrança ainda resistente de uma cultura conservadora antiga e engessada no comportamento da mulher que sofre um sofrimento que, muito embora pareça não ter solução, tem deixado muitas mulheres infelizes com um sentimento de incapacidade brutal. Mulheres que antes eram sorridentes e se tornaram sérias demais, (...)

A mente não mente!

02.06.14, Rodrih
  Tenho conversado com muitas pessoas, em geral, amigas sobre algo curioso e que elas se surpreendem, apesar de parecer tão óbvia a coisa em si. Considere que você esteja numa festa, que estejam mais de trinta pessoas, e você está sentado numa mesinha, distraído, sem pensar em nada, apenas como mero observador do ambiente com sua música, (...)