Divino Criador: Pai, Mãe, Filho, todos em Um,

Se eu, minha família, meus parentes e antepassados

Ofendemos tua família, parentes e antepassados

Em pensamentos, palavras, fatos ou ações

Desde o inicio de nossa criação até o presente;

 

Nós pedimos teu perdão

Deixe que isto se limpe, purifique, libere

E corte todas as memórias, bloqueios, energias e vibrações negativas

Transmuta essas energias indesejáveis em pura luz. E assim é.

 

Para limpar meu subconsciente

De toda a carga emocional armazenado nele,

Digo uma e outra vez durante meu dia

As palavras chaves do Ho'oponopono:

Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo.

 

Me declaro em paz com todas as pessoas da Terra

E com quem tenho dívidas pendentes

Por esse instante em seu tempo

Por tudo o que não me agrada de minha presente vida

Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo.

 

Eu libero todos aqueles de quem acredito

Estar recebendo danos e maus tratos

Porque simplesmente me devolvem

O que eu os fiz antes

Em alguma vida passada

Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo.

 

Ainda que me seja difícil perdoar alguém

Eu sou quem pede perdão a esse alguém agora

Por esse instante em todo tempo

Por tudo o que não me agrada de minha vida presente

Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo.

 

Por este espaço sagrado que habito dia a dia

E com o qual não me sinto confortável com isto

Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo.

 

Pelas difíceis relações das quais guardo somente lembranças ruins

Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo.

 

Por tudo o que não me agrada na minha vida presente

De minha vida passada, de meu trabalho

Ou o que está ao meu redor

Divindade, limpa em mim o que está contribuindo com minha escassez

Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo.

 

Se meu corpo físico experimenta

Ansiedade, preocupação, culpa, medo, tristeza, dor...

Pronuncio e penso: minhas memórias, eu te amo

Estou agradecido pela oportunidade de libertá-las a vocês e a mim

Eu sinto muito, me perdoa, obrigado, eu te amo.

Neste momento afirmo que ...eu te amo.

 

Penso em minha saúde emocional

E na de todos os meus seres amados...te amo

Para minhas necessidades e para aprender a esperar sem ansiedade, sem medo

Reconheço as memórias aqui.....sinto muito, te amo.

 

Minha contribuição para a cura da Terra

Amada Mãe Terra, que és quem Eu sou

Se eu, minha família, meus parentes e antepassados

Te maltratamos com pensamentos, palavras, fatos e ações

Desde o inicio de nossa Criação até o presente

Eu peço teu perdão

 

Deixa que isto se limpe, purifique, libere e corte todas

as memórias, bloqueios, energias e vibrações negativas.

Transmuta estas energias indesejáveis em pura luz. E assim é.

 

Para concluir, faço de teu conhecimento

Que este áudio é minha contribuição

À tua saúde emocional

Que é a mesma minha

 

Então esteja bem.

E na medida que tu vais te curando, eu te digo que

Eu sinto muito pelas memórias de dor que comparto contigo.

 

Te peço perdão por unir meu caminho a ti para curar

Te dou as graças porque estás aqui por mim

E eu te amo por ser quem és.

Expanda seu campo de energia sensorial
se permita receber o que a Vida tem para lhe dar
diga sempre que sentir vontade:

Tudo na vida vem a mim
com facilidade, alegria e glória

 

Todas as vezes que você sentir-se frágil
diante uma situação no dia-a-dia
não diga mais o problema, nem sua situação,
apenas fique na pergunta:

Universo: O que mais é possível?

Como posso melhorar tudo isso?

Universo, como obter mais disso?
(Se for uma coisa leve e agradável!!!)

Experimente isso e comente aqui suas experiências de resultados!
Espero ter contribuído com sua alegria e cura.

 

 

Publicado por Rodrih às 13:06 | Link do post

Veja. Olhe para fora da janela dos seus olhos e veja. Percebe? O que enxerga? Olha o tamanho desse mundo, é imenso, não tem fim. O que vê? É muita informação. Olhe quantos seres vivos habitam o ecossistema, dos parasitas aos insetos, das aves aos plânctons nos oceanos, dos peixes aos cães. E nós, humanos. Há problemas por todos os lados. Vê? Dos parasitas aos cães, todos têm que lutar para a sobrevivência. Veja, entenda, nada batalha a própria aniquilação. É pela vida que se vive. Não importa como a porra da vida está, simplesmente viva. O que você tem que fazer para ficar vivo, faça! Não é tirando outra vida que a sua será garantida e não é perdendo a sua, que fará os seus problemas se resolverem. Você entendeu. Autocídio é o suicídio. Se matar pra quê? Seus problemas não serão resolvidos assim, simplesmente porque a ideia de se matar é gerar um novo problema para resolver, como se já não tivesse outros tantos e maiores. Escute. A merda da sua vida não significa nada pra merda de ninguém à sua volta, então se matar é uma merda de idéia e sua vida não se acaba assim. Nem pense que você irá para o inferno, porque você não vai. Sei lá pra onde você irá, só sei que seus olhos se fecharão e tudo ficará escuro. Sei porque é óbvio. Sua pele se enrugará de tanto frio e umidade e tudo que está dentro de você ficará podre. Então, se a sua consciência estiver intacta será o momento que você irá pensar: "Que porra de merda que eu fiz? Tô aqui dentro da merda de um caixão, numa escuridão escrota, tudo tá frio e úmido, e não faz 48 horas, e encontrei a porra da solução dos meus problemas". Sim, você terá feito uma grande merda pra não sentir o desconforto de alguns problemas, que a porra da sua mente encontrou uma boa saída 48 horas depois. E agora? Sua carne será consumida nesse escuro maldito, sua boca linda e gostosa de beijar estará azulada, sei lá, esverdeada, seu hálito num fedor desgraçado, seus dentes apodrecendo porque você não pensou em se dar um tempo por 48 horas. Enterrado nesse escuro solitário, em que as únicas coisas que sua mente ouvirá será o ranger das raízes abrindo a terra por debaixo da grama e os vermes se rastejando sobre sua pele para dentro de seus buracos. O que fazer depois de 48 horas que terá percebido a merda que você fez? Não se iluda, ninguém virá te dar uma segunda chance. A morte não tem graça nenhuma. O sorvete de baunilha com chocolate que você poderia estar tomando, o abraço a qualquer filho da puta que quisesse te abraçar, o barulho do vento ou o sabor da água fresca na boca seca nunca mais conseguirá ter pra você, porque teve a imbecilidade de uma cabeça cheia de merda de cometer o autocício. 48 horas é o tempo que você tem que esperar antes de tirar a própria vida. Faça tudo o que puder para valer a pena seus últimos momentos de vida.Mas se, de repente, estiver interessante sentir a vida no seu respirar, na boca cheia de saliva, no sono que sentir, então faça o que puder fazer para sair do meio em que está vivendo. Foda-se se acharem ruim. Foda-se se disserem que você é filho da puta, suma desse lugar, porque melhor do que estar morto e prisioneiro de um caixão meia-boca sob a terra, é deixar tudo pra trás e ir para outra cidade, outro estado ou país. Se vira se não tem dinheiro pra passagem, caminhe, pegue carona, afinal estará se dando uma deliciosa sensação nova de sentir o vento na cara, uma oportunidade diferente de tentar de novo. Pega o rumo, não se chateie, simplesmente vá embora, até porque você já ia embora mesmo, só que agora você continuará respirando e poderá encontrar respostas durante sua caminhada. Não há nada pior do que perder a própria vida, então perca os amigos, os familiares, o emprego, a namorada ou seja lá quem for. Apenas deixe o recado alto e claro: "Fui e não me espere pro jantar". Ou qualquer coisa que essa sua mente confusa queira escrever, só não sacaneie a pessoa que vai ler fazendo-a sentir seu desprezo e sua ignorância. Simplesmente saia deixando a sua vida ruim pra trás. Então vaze e caminhe sem parar. Melhor do que estar morto, é estar vivendo e buscando o autoconhecimento. Não se mate acreditando que a mão carinhosa de Deus virá em sua misericórdia, nem se iluda de que o capeta irá te levar pra longe. Você só ficará num lugar apertado, frio, úmido e fétido, sem poder se mexer nunca mais. Acredite nas 48 horas e se afaste à pé de onde você está vivendo, só não se meta em lugares perigosos, pois poderá encontrar com a morte por lá, o que será extremamente desagradável pra você. 

Publicado por Rodrih às 02:41 | Link do post

sado.jpg
 Há um certo quê masoquista na mulher que ama um misógino.

Antes de entender o que estou propondo nessa reflexão é preciso saber o que significa a palavra misoginia. Depois de ter conhecido a respeito disso e provavelmente até ter lido os comentários riquíssimos de detalhes (e muito interessantes), já se pode imaginar que esses tipos de homens são os vilões da história. Haja visto que em parte são sim, homens que não tiveram um bom relacionamento com suas mães e como reflexo descontam em suas companheiras todo ódio contido na matre criação. Só que não é bem assim. Observei nos muitos comentários que estão postados e nos e-mails ou mensagens de whatsapp que há muitas mulheres que sentem um certo prazer de estimular ou viver a misoginia de seus companheiros. De uma certa maneira, ainda que se sintam mal e sofridas há um certo conforto em se sentirem amordaçadas pela ignorância e açoitadas pela estupidez destes. É como se vivendo isso elas se sentissem percebidas, ainda que dessa maneira, mas recebessem a atenção de seus loucos e ogros amados. Não são todas, é claro, mas há uma quantidade considerável de mulheres que patrocinam, nutrem e despertam o ato agressivo e ignorante, humilhante e frustrante dos misóginos. É como se elas precisassem disso para se sentirem importantes para alguém. Tudo está ligado ao fator sexual proposto pelo misógino, que por ser um ogro, geralmente manda bem no domínio na cama. Algumas suportam pela condição financeira e social destes e se submetem a situações humilhantes. Há aquelas que viraram o mundo de ponta cabeça para o sujeito se estabilizar financeira e socialmente na vida, então o sujeito vendo que é bom ter dinheiro e status passa a minar a autoestima de sua companheira, tirando dela a fé em si mesma de superar obstáculos, cortando-lhe expectativas de sucesso profissional. O misógino é um tipo de ser orrendo que não deseja a felicidade alheia, tampouco a independência, justamente porque é um fraco e sabe que a companheira tem mais capacidade do que ele, então ele já ataca antes mesmo que ela perceba seu potencial. E mesmo assim há aquelas que acreditam que podem mudar o comportamento do misógino, se infiltram em seu seio familiar, se arriscam se expondo sobremaneira a pessoas que elas nem conhecem direito, como seus familiares que, certamente, escondem seus segredos. Essas mulheres deveriam se amar mais, se respeitar mais e tentarem nova vida longe desses loucos, mas não adianta falar, elas não ouvirão jamais tal coisa e só se mexerão quando a situação estiver totalmente fora do controle. Daí e então, já será tarde demais e o procedimento de libertação se torna praticamente inacessível. Portanto, mulheres que acreditam que misoginia tem cura, se depois de lerem os meus posts, lerem os depoimentos e ainda disserem que acreditam na cura do misógino é porque vocês realmente precisam chegar até o fundo do poço. Só assim para aprenderem a se amar e a se respeitar.

 

 Mais sobre o tema:

A mente não mente
Tropeços femininos
Aos homens misóginos, a desesperança
Sentimentos perdidos
Viciados na solidão
Ex é misógino e me persegue

Publicado por Rodrih às 17:11 | Link do post

 

Por: Cristina Luckner, da Revista SuperInteressante - Ed. 273/Dez-2009

Muita gente promete perder alguns quilos. Outros juram de pés juntos que vão parar de fumar. Alguns se obrigam a trabalhar mais... e a gastar menos. E uns garantem nunca mais fazer piadas estúpidas (ops, esses somos nós, da SUPER). É uma força de vontade que só, uma concentração de energias e pensamentos rumo ao objetivo. Até que a promessa vai para o saco. Pode chamar de síndrome da segunda-feira (o dia geralmente escolhido para o pontapé inicial dessas resoluções) ou síndrome do Ano-Novo, já que é comum o pessoal querer se renovar depois do Réveillon. E, a essa altura do ano, é bem possível que você já esteja elaborando a listinha de atributos do seu "eu" versão 2010. Pois saiba que você também está a um passo do fracasso.

Só 12% dessas promessas são cumpridas, segundo um estudo do pesquisador Richard Wiseman, professor de psicologia da Universidade de Hertfordshire, na Inglaterra. Wiseman tirou essa conclusão depois de acompanhar as metas que cerca de 3 mil pessoas, entre americanos e britânicos, estipularam para si mesmas em 2007, uma pesquisa que ele prometia publicar nos próximos meses (vamos ver se cumpre). Mas por quê, afinal, é tão difícil se comprometer consigo mesmo?

Dê uma olhada ao redor: as tentações aparecem por toda a parte. O supermercado está cheinho de comida. Distração no meio do expediente não falta: tem celular, YouTube, pausa para o cafezinho. Cigarro, álcool e drogas sustentam o vício de quem busca prazer. Hoje é tão fácil atender às nossas vontades que somos constantemente estimulados a satisfazer nossa personalidade imediatista - aquela que quer tudo no presente.

Quando criamos uma meta e decidimos controlar alguma vontade, é porque acionamos a outra personalidade, a planejadora. Pensamos no futuro - calculamos os resultados que nossos atos vão gerar. Se concluirmos que é melhor evitar as consequências ruins, começa uma guerra entre os nossos lados imediatista e planejador. E o primeiro costuma ganhar."É que o agora parece sempre mais concreto do que a recompensa que só virá no futuro", diz Michelle vanDellen, professora de psicologia da Universidade da Geórgia, nos EUA.

Na verdade, o homem sempre foi condicionado a pensar mais no presente. É uma herança dos ancestrais dos tempos da caverna. Pense bem: naquela época, o homem dependia de seus instintos para sobreviver. Se tinha fome, lá ia ele caçar. Se ficava com frio, saía à procura de proteção. E, se desse de cara com uma Miss Caverna, arrastava a mulher pelos cabelos para garantir sua reprodução. Eram tempos de escassez. Por isso, aquele homem vivia pensando no presente.

O que faltava naqueles tempos existe hoje de sobra. E parece que nós ainda não aprendemos a lidar direito com essa realidade tão generosa. "O homem de hoje é muito parecido com o das cavernas, no sentido de querer saciar imediatamente instintos como os de fome, preservação, prazer", diz Robson Nascimento da Cruz, psicólogo e pesquisador da UFMG.

Ou seja: há mesmo algo em você trabalhando intensamente pra que suas metas fracassem. Por isso, não fique deprê se bombar no teste que você mesmo se impôs. Dê um jeito de consertar a situação.

Você x você

Dado que o inimigo é você mesmo, trate de impor limites a esse mimado. Ensine-o a ser prudente com algumas técnicas: castigos amedrontadores, uma boa dose de objetividade, apoio moral e um grupo de amigos persistentes. Começando pelo mais divertido: os castigos.

Pra isso existe o www.stickk.com, criado por Ian Ayres e Dean Karlan, respectivamente professores de direito e economia da Universidade Yale. O site serve pra você se comprometer de verdade com suas metas - de papel passado e tudo. Na verdade, é um contrato virtual, no qual você declara sua meta e em que prazo pretende cumpri-la. Pode incluir um amigo como juiz, o que significa que ele fiscalizará seu comportamento e enviará relatórios ao site. E pode impor-se uma punição se fracassar, como dar dinheiro a uma causa que você não apoia. Tipo mandar uns dólares para o Bush.

Não é piada - a estudante de Yale Zara Kessler fez isso mesmo. Pra ficar mais responsável, ela listou 7 promessas no stickk.com, como "não fuçar a vida dos outros no Facebook" e "fazer a cama diariamente". Ela bem que tentou cumprir tudo, mas não deu. "Entrei no site e me declarei um fracasso", disse em um depoimento publicado no The New York Times. Resultado: doou US$ 50 para a Biblioteca Presidencial George W. Bush, no Texas, dedicada à preservação da memória do ex-presidente americano.

A pena não foi suficiente para manter Zara na linha. Mas a estudante é uma exceção no stickk.com, como mostram os números. Entre os usuários que prometem dinheiro para uma instituição que odeiam e são monitorados por amigos, 80% cumprem as promessas. Só 25% têm sucesso quando deixam de se impor uma punição e de escolher um juiz.

O medo funciona, já deu pra ver. Mas também há estímulos positivos eficientes. E aqui os caminhos se dividem para homens e mulheres. Foi o que mostrou a pesquisa que Richard Wiseman conduziu em 2007. Para homens, objetividade é tudo. Nada de pensar vagamente em parar de fumar. É preciso determinar alguns critérios aí: definir quantos cigarros por dia você vai fumar até parar. Ou focar-se nos benefícios que vai conseguir, como "Hum, com músculos como o do Cauã Reymond, vou ficar irresistível para a vendedora da banca de revistas". Homens que seguiram essas duas premissas tiveram uma taxa de sucesso nas metas 22% maior do que os outros no estudo de Wiseman. Já as mulheres precisam de um empurrão diferente. "Elas têm mais sucesso quando contam a amigos e à família sobre sua resolução, ou quando são apoiadas a não desistir, mesmo que deem escorregadas", diz o pesquisador. Aquelas que contaram com esse apoio moral aumentaram em 10% as chances de cumprir sua promessa, na comparação com aquelas que não tiveram esse apoio.

Se nada disso funcionar, parta para a última tática. Marque uns programas com seus amigos mais determinados - dá pra virar uma pessoa controlada quase por osmose. "O autocontrole é contagioso", diz vanDelle, da Universidade da Geórgia. Em um estudo realizado por ela, 36 americanos entre 18 e 25 anos fizeram um teste de coordenação motora. Encerrada a prova, metade do pessoal foi orientado a pensar em um amigo com bom controle das próprias ações. A outra metade foi instruída a pensar em alguém descontrolado. Todo mundo teve de refazer o teste. E aqueles que pensaram em um bom exemplo de força de vontade tentaram resolver os exercícios por mais tempo. Ou seja, resistiram mais.

Dose o controle

Só tem um porém: autocontrole gasta. Quanto mais usamos, menos sobra. Foi o que mostrou uma pesquisa feita pelo psicólogo Roy Baumeister, da Universidade da Flórida, em 2003. Ele pediu a 67 estudantes que ficassem sem comer por 3 horas. Depois colocou os famintos, um a um, em uma sala fechada, diante de dois pratos: um com cookies recém-saídos do forno e outro com rabanetes. (A sala cheirava a chocolate, de propósito.) Alguns dos estudantes foram instruídos a comer cookies, outros a comer rabanetes. Terminada a tarefa, todos tiveram de fazer um teste de lógica (que, como eles não sabiam, não tinha solução). Resultado: os coitados do grupo do rabanete, tentados pelos cookies, desistiram mais rápido de completar a prova do que os outros. "A tarefa de superar a tentação parece ter consumido a capacidade dos participantes, deixando-os com menos condições de insistir no teste", escreve Baumeister. Na prática, o grupo do rabanete gastou toda a força de vontade na 1ª tarefa. E ficou fraco demais para a 2ª.

O segredo dessa escassez de controle sobre si próprio está numa substância chamada histamina, liberada em situações como o estresse. Ela nos ajuda a ficar alertas e, portanto, controlados. Segundo a pesquisa de Baumeister, o nível dessa substância no corpo cai quando passamos por uma tentação (aconteceu com os participantes). Isso ajuda a explicar por que alguém que segue rigorosamente uma meta às vezes vacila em outra, como engordar depois de parar de fumar. Ou porque sentimos vontade de comprar uma loja inteira depois de controlar os gastos por um mês. É que esvaímos a cota de disciplina. Ou seja: não a use de uma só vez. Mantenha a linha dura consigo mesmo - mas não esqueça de liberar alguns agradinhos de vez em quando.

Reflexões do autor do blogdorodrigocaldeira:

Ao longo de minha adolescência e juventude (pós-adolescência) sentia uma necessidade latente de ser conduzido por alguém mais experiente em minha vida. Isso não aconteceu, principalmente dentro de casa, pelos meus pais. Certamente eles, naquela época, não faziam ideia da importância que tinham em definir e delinear meu futuro, me adestrando para que eu me aclimatizasse e pudesse ser alguém mais realizado do que me sinto atualmente. É desesperador você se sentir desamparado e sem alguém com mais malícia para orientá-lo. É desanimante, na verdade. Segui por toda minha vida à revelia de conduções tutoriais e isso me causou imensos abismos na autoestima. Somente uma vez, quando meu pai me levava para o colégio me disse, enquanto dirigia a Brasília 1975: "Eu quero ser seu amigo, você pode me falar as coisas". Eu não lembro o teor da conversa, sei que olhava para um Fiat 147 azul celeste e bocejava horrores - isso naquela época não tinha entendimento, hoje sei que tem a ver com a energia sensorial, no ramo da física quântica. Meu pai sempre foi ausente, até para assuntos de garoto e a única vez que ele tentou me mostrar algum exemplo de ser macho, quase fui estrangulado na cama de casal num enfrentamento corpo-a-corpo, em que isso me fez evitar qualquer tipo de contato físico com ele em brincadeiras desse tipo. Essa experiência quando criança me levou desamparado por toda a adolescência, juventude até nos dias de hoje em matéria de pai e filho. Talvez isso fizesse com que eu tivesse pavor de ter filhos, já que muitas características de nossos pais trazemos em nosso DNA mental. Depois de duas separações conjugais e muito tempo para refletir sobre o que aconteceu pude perceber que tudo se refletia na ausência de orientações de alguém mais experiente. Com base nisso passei a orientar pessoas, na maioria, mulheres, tendo por base a referência da vida solta que tive, com temor religioso e liberdade excessiva nas obrigações. Muitas mulheres buscavam naturalmente serem orientadas, quase controladas, aliás, quase não, literalmente controladas. Isso fazia bem à elas, sentiam-se seguras e confortáveis para executarem seus planos de vida, alcançavam sucesso pessoal, familiar, social e profissional. A começar da ex-esposa, que seguiu todos os ditames que coloquei, enfim.. o resultado não foi o mais esperado, mas tudo bem, daí já é uma questão de caráter de cada um e o bom julgador por si se julga. Desde 2010 tenho orientado cerca de 39 mulheres de todas as idades, isto é, dos 16 aos 60 anos. Auxiliei mulheres a resgatar casamentos, ou sair de relações com homens misóginos. Reinventei outras tantas, que pareciam zumbis sociais, sem esperança, sem foco, sem vida, sem sequer sensualidade, de uma autoestima tão baixa que as tornavam invisíveis - até para si mesmas diante o espelho. Desmontava-as e remontava-as com base numa metodologia pessoal, justamente aquela que eu nunca tive para mim. E os resultados eram (e são) impressionantes. O compromisso delas com elas mesmas acontecia, elas realmente tomavam as rédeas de volta de suas vidas e obtinham resultados compensadores, positivos, realizadores. Há quem tenha passado em concurso, conseguido casar-se e ter filho. Tenho validações de todas elas, agradecimentos, reconhecimentos, até orações. Sem que se tenha alguém mais vivido para ditar os primeiros passos e cobrá-los, dificilmente a pessoa conseguirá manter um compromisso pessoal. Obviamente, que há pessoas que conseguem fazer isso por si próprias, mas essas pessoas bem aventuradas tiveram uma boa relação pai-mãe-filho, foram conduzidas, conscientizadas do futuro, o que e como fazer, o que buscar. Inconscientemente fiz isso com as duas esposas e ambas usufruiram de resultados maravilhosos em suas vidas. Hoje eu percebo isso. Em relaçã à essa matéria, é isso mesmo, é quase impossível ter um compromisso consigo mesmo se não tiver muita determinação ou necessidade. Ou, acrescentando, ter pelo menos alguém que aponte a direção.

 

Publicado por Rodrih às 10:26 | Link do post

Post de 17.04.2010 (5:05h) Revisto e atualizado.

 desert_flower.jpg

Todos nós precisamos de alguém que precise da gente, mas quando chega um momento em que, infelizmente, nos tornamos dispensáveis, quer por termos perdido o "valor", o status, a beleza, a credulidade, a simpatia ou seja, o interesse em geral (frisa-se: "interesse"), então somos lançados na vala dos mortos, moribundos e dos zumbis.  Lá ficamos perdidos, sem saber que universo é aquele tão frio, úmido e sombrio, vazio, perceptivelmente cheio de morte, tristeza e desespero. É a morte anunciada pela parte que você amava e te dispensou, acima de qualquer suspeita, sem brigas, desentendimentos e ciúmes, simplesmente a pessoa amada mata de você os sonhos e a esperança de repente. Muito bem, você é o lixo da vez e lixos vão para a vala dos descartados. Então leva um tempo para você entender ou assimilar o que está acontecendo. O cheiro ruim de tudo que está ao seu redor desaparece, o calor ou frio também, as cores somem, desaparecem, o paladar deixa de existir, seus ouvidos não escutam absolutamente nada, seu estômago não processa os alimentos e você emagrece sem saúde. A sensação de estar anestesiado, zonzo quase que permanente, como se tivesse a possibilidade de ficar por horas, dias, meses sob as profundezas de um lago, ali, parado sem ouvir, sentir, falar nem participar de nada, só silêncio e muitas perguntas mal formadas na mente. Há pessoas que não atravessam o se deserto sabático forçado, pois são pessoas que não têm resistências às perdas, e se vitrificam. Algumas ainda detém um pouco de fé e mergulham na doutrina religiosa como nunca fez na vida. Eu fui um desses que mergulhou. A Igreja é o único local que você se sente bem, mas é outra mentira, uma ilusão. Na verdade, é o lugar que você se refugia porque não tem outro lugar mais confortável para se sentir um ser vivo. Depois de quase 90 dias você entende que realmente está só, é um prazo para a ficha cair e portanto, o sentimento é de um pós-capotamento de carro, uma sensação estranha, doída, como se estivesse na lua sentindo tudo devagar, um silêncio ensurdecedor, solidão desesperadora e ao mesmo tempo confortável - extamente como um astronauta na lua, onde não pode fazer nada, senão aceitar e caminhar lentamente. A consciência começa a voltar e os pensamentos bombardeiam sua mente, sua cabeça vira uma estação de trem em que você perde o controle das chegadas e partidas, da quantidade de gente na estação, muitos rostos, muitas bagagens e diversos motivos no vai e vem. A partir de 100 dias após a catastrófica experiência de ter sua vida dilacerada pela pessoa amada e abandonado à sargeta dos descartados vem a fase da autossabotagem. Pensamentos confusos, conclusões místicas, reflexões vazias e devaneios tomam conta do seu novo perfil psicológico. Inicia-se um processo estranho de sentimentos de liberdade, acredita que recebeu um livramento, até chega a se sentir leve e solto, então procura por fugas para você preencher o vazio e a vergonha de ter sido excluído, descartado, jogado no lixo. É o momento em que procura se apoiar em bengala ou muleta para tentar confundir o cérebro de que está tudo bem, que tudo está voltando ao seu controle - o que é uma grande inverdade, então se matricula numa academia bem movimentada para desenvolver sua sexualidade renovada, fazer amizades novas e bonitas, mas esquece do seu bem-estar. Não há nada que você possa fazer, tudo o que procura é a própria autossabotagem e você só mergulha numa ilusão sem referências. Você abandona a academia e começa a viver o ostracismo. Se isola das pessoas, de si mesmo, seu rosto não sorri mais, seu semblante é perdido, seus olhos não brilham, sua alegria não existe e sua fé desmorona. Esse sentimento dura aproximadamente 15 meses numa vida estritamente solitária. Tudo se torna sem graça, você se sabota em pensamentos, conversas, encontros, desencontros. É a fase zumbi, em que você já saiu da condição de morto e começa a vagar por aí sem saber de onde veio e muito menos para onde vai. Seu único referencial é dormir logo para o dia passar mais rápido. É a hora crítica em que se busca por substâncias (muletas) para conseguir seguir em frente. Mergulhei de cabeça em remédios antidepressivos e ansiolíticos, produtos químicos escravizantes. Você se torna, literalmente, um morto-vivo. Sua mente é manipulada e seus dias passam como folhas brancas. De repente sua mente faz pequenos buracos na tela branca de seus pensamentos e sentimentos e começa a perceber a ilusão que foi posto a viver. Sempre que dorme, seus sonhos estão todos ligados a um emaranhado de buscas, reconciliações amorosas, sentimentos de perdão, reencontros, resgates, até que você acorda e entende que só foi mais um sonho. Às vezes é um alívio acordar, mesmo que o sonho tenha trazido a pessoa amada para seus braços, porque até mesmo nos sonhos sua consciência prevalesce e seu psicológico sabe de tudo o que está acontecendo.E descobre nos soníferos matadores a morte que você sempre buscou. Esses soníferos deletam literalmente memórias em sua mente, faz você esquecer de muitas coisas, até mesmo das coisas que gostaria de lembrar. Nomes de pessoas, rostos, lembranças, memórias, experiências, encontros passados, tudo desaparece de sua mente. E não adianta acreditar que a sua mente recuperará tais imagens, sensações ou informações, porque não vai recuperar. Quanto mais você mergulha nos soníferos - o que será um vício, já que você dorme mas não sonha, mais você deleta memórias de dez, vinte anos atrás. Então sua vaidade está a zero, seus cabelos caem por falta de nutrientes alimentares, você se torna fraco, quase-mudo e seu sorriso sai tímido e com vontade de chorar sempre. Seu organismo mal processa os alimentos e começam a surgir problemas gástricos e intestinais. Num dado momento você pensa que ainda pensa e quando isso acontece se ilude novamente e toma para si outra muleta se permitindo um banho de loja, cortar o cabelo, se vestir bem melhor como nunca esteve. Tudo ilusão, tudo gasto e perda de tempo, pois os pensamentos bombardeiam na vontade tardia de que gostaria de ter feito isso para a pessoa amada e não sozinho como está agora. A sensação disso é fácil de entender, basta que compre a roupa mais cara numa loja de shopping, vestimenta completa e leve essa roupa para uma roça. Estando lá encontre um espantalho e o vista com essa roupa. Pois bem, é assim que você estará sendo visto e será assim o seu sentimento. Não adianta! Não há resgate psicológico nem espiritual. Muito embora essas coisas de mudar o visual funcionam melhor com as mulheres, a grande verdade para os homens está em algo que ele menos pensa nessa fase de transição. A única coisa que alivia a dor, o cansaço, a tristeza e o pensamento autossabotador e autodestrutivo se chama "ter sexo com outra mulher". Eu passei por tudo o que foi possível passar na busca do meu Eu íntimo e pessoal, nada me fez resgatar a autoestima e tampouco me trouxe a alegria de volta, senão e somente depois que eu comecei a ter sexo. Minha testosterona aumentava à medida que eu me sentia dominador de minha virilidade. Não há sentimento maior do que você saber que serve de referência para uma mulher sentir desejo em sua carcaça moribunda e triste. A cada nudez, a cada toque, a cada arrepio eu sentia que estava vivo e era capaz de seguir adiante. Minha autoestima se reconstruía e tímidos planos de melhora de vida roubavam meus pensamentos. As roupas que eu queria usar já não era para aquela que me descartou junto aos desvalidos, mas para aquela que eu estava sentindo tesão sem o menor pingo de amor ou paixão. O coração passa a se blindar, você passa a se fortalecer e sua morte passa a ressuscitar. Seu corpo passa a respirar, suas determinações passam a mostrar que você não é tão desvalido assim e que aquela que você amava até mesmo em seus momentos mais terríveis, na verdade não merecia todo seu sofrimento. Você aprende coisas sexuais que a ex-amada, agora ex, nunca saberá como você se tornou melhor. A vida floresce, a energia volta aos nervos, seu sangue aquece e você não pára enquanto a dor do vazio persistir. Mas o sexo resgatador só acontece quando você o tem com a mulher que é melhor do que a sua pôde ser ou que seja mais bonita, mais gostosa e principalmente mais amorosa. Se não o conjunto, alguma dessas qualidades a mais também serve para resgatar sua autoestima e amor próprio. Então, é nesse momento quando se deve entrar em harmonia com seu corpo e sua mente, buscando exercícios físicos e fazendo novas amizades. Eu não tive nenhuma orientação, fiz o caminho mais sofrido e destrutivo possível, e juro que adoraria se algum sobrevivente me ensinasse o caminho da cura. Meus cabelos caíram exageradamente, emagreci sobremaneira, me enfraqueci e me afastei em cem por cento das amizades que eu tinha. Isso tudo o que aconteceu comigo não precisava ter acontecido se eu soubesse como me resgatar. Me autossabotei inúmeras vezes, me dei por humilhação muitas vezes, me entorpeci de remédios e soníferos matadores, perdi muitas lembranças e memórias que nem faço ideia do quanto, mas sobrevivi para contar minha experiência e mostrar que há caminhos melhores de seguir. E viver sem culpa, renascer.

Publicado por Rodrih às 05:05 | Link do post

surpresa x expectativa.png

 

SURPRESA VERSUS EXPECTATIVA 

Eu particularmente não gosto de surpresas, simplesmente porque são ações que surpreendem, geralmente, para além do que esperaríamos receber, gerando decepção, frustração ou aquele pensamento: "xiii tô ferrado". É terrível estar diante a pessoa que por inocência ou extrema falta de malícia vem com uma surpresa sem noção para você. E acontece de tudo o que se pode imaginar, roupas ridículas, sapatos feios, peças íntimas da era do gelo ou tão ousadas, que mais serviriam para quem estivesse fazendo filmes pornôs. Fica pior quando isso tudo acontece com platéia, testemunhas da sua pagação de mico, seu ridículo ridicularizado, e você tendo que fazer cara de paisagem para não dar na cara da pessoa tapada inocente e sair correndo. Pior é quanda a outra parte planeja um encontro íntimo de surpresa e além de você estar com a cabeça a mil, com muitas coisas para lembrar de fazer, gente pra ligar, contas para pagar, morrendo de fome e desesperadamente com vontade de ir para sua cama deliciosa dormir. Então a coisa piora quando a parte sem noção inocente se produz engraçadamente, de tal maneira que remete aos filmes de Charlin Chaplin e em preto e branco ainda. Se você rir corre o risco de perder a pessoa no sense amada - o que não seria uma má ideia - e se você não rir terá que fazer cara de político em campanha eleitoral, e suportar aquela situação que você não poderá sequer escrever no seu querido diário, só para não correr o risco de alguém ler um dia mesmo que você já tenha morrido séculos depois. Surpresas são sempre uma faca de três gumes, em que o cabo é uma lâmina também. Melhor do que uma surpresa é a expectativa, porque uma parte diz à outra o que quer fazer para ela, ambas podem otimizar a ação para melhorar o resultado. A parte presenteada saberá o que acontecerá, estará psicologicamente preparada para receber o que virá, na expectativa por tal momento. Durante o dia e várias horas poderá sorrir ao lembrar do que acontecerá, se divertirá com isso, não terá preocupações, compromissos, ligações a fazer ou contas para lembrar de pagar, porque se organizará antecipadamente para o gran finale. Tudo estará conspirando em favor de dar certo, tanto num encontro íntimo como num momento de alegria com direito a platéia. Será prazeroso o resultado, porque a expectativa será um conjunto de prazeres mentais, confortáveis e até estimulantes que acontecerão no decorrer dos dias ou das horas. Bem diferente de uma surpresa, que, se for festa surpresa, os convidados correrão o risco de tomar um tiro ou levar um porta-retratos na testa, ou a pessoa surpreendida poderá ter um ataque no coração e acabar com a alegria dos imprudentes convidados. Quando você quiser dar algo de surpresa para alguém e ficar receoso da pessoa não entender o porquê de você estragar a bendita surpresa peça para ela ler esse post no blog. Se ela discordar do que eu disse, então aproveite para surpreendê-la com algo extremamente constrangedor - só para ela ficar esperta, mas depois dê a surpresa que realmente ela possa gostar (ou não). Fica a dica.

Publicado por Rodrih às 03:27 | Link do post

 

素晴らしい日
より実用的かつ賢明な家族の星座を話すことが考えられますか?

 

Olá, Yumiko.

Obrigado por enviar seu email e acho que você é do Japão ou a linguagem é japonesa, pois foi o que o Google Tradutor identificou sendo. Olha, sinceramente não entendi a constituição da frase, mas a tradução disse assim:

"grande dia
Você pensou que constelação falam de família mais prático e sensato?"

Se entendi o que você comentou, acredito que se trata de falar de maneira mais fácil de entender sobre a Constelação Familiar.

Bom, eu não sou técnico no assunto, mas a pouco expliquei para uma amiga a quem estou fazendo um trabalho de reinvenção e apresentei o conceito dessa maneira (espero que sirva para você também):

Explicado através do Whatsapp, com dinâmica de feedback a cada pergunta.

CONSTELAÇÃO FAMILIAR

Considere que seu cérebro seja um planeta maior, como a Terra...

Guarde essa informação.

Agora vou te explicar outra coisa.

Você sabe que você tem ou terá antepassados como tataravós, bisavós, avós,  pais, filho e possivelmente netos, bisnetos etc.

Ok

Você já percebeu que muitos comportamentos e mesmo manias são repetidas de pais pra filhos? Por exemplo, você tem a mania de balançar o pé direito quando está apertada. Daí percebe que seu filho tá que balança o pé direito e diz que precisa ir ao banheiro.

Faz sentido?

Ok.

Agora vamos costurar as informações.

Considere que seu cérebro seja um computador com milhares de megabytes de espaço de armazenamento de informações (memórias), tudo bem?

Considere também que cada pensamento, emoção e comportamento seja uma pasta contendo diversos arquivos.
Por exemplo, a pasta de Emoções contém arquivos de "chorar todas as vezes que alguém dá um presente", "coçar o lado direito da testa todas as vezes que sentir medo", etc.

Até aqui tudo tranquilo?

Todos os pensamentos, sentimentos, emoções e comportamentos que seu tataravô teve foi passado em diversas pastas contendo diversos arquivos de diferentes reações. E para quem?

Todas essas pastas cheias de arquivos foram enviadas pelas células cerebrais no espermatozóide que fecundou a formação do filho dele, seu triavô.

Esse filho recebeu não só as pastas com as informações do pai dele, mas também da mãe dele.

Essas informações por parte da mãe estavam no óvulo.

Ou seja, o moleque recebeu duas levas de pastas contendo uma quantidade enorme de informações, tanto do pai, como da mãe também.

E isso irá ser usado por seu cérebro para formar suas atitudes pesdoais.

Até aqui tá tranquilo também?

Ok.

Então imagine o tanto de pastas e a quantidade de arquivos que sua cabeça possui!

Você tem informações mais adormecidas do seu tataravô e também tem informações mais acordadas do seu avô, do seu pai.

Então, partindo desse princípio, algumas emoções que seu tataravô deixou de sentir, por falta de oportunidade poderia ter se manifestado no seu bisavô ou mesmo poderá estar se manifestando em você agora.

Faz sentido até aqui?

Bacana.

Agora que você consegue enxergar a base do entendimento, você conseguirá entender o que seria a constelação familiar ou constelação sistêmica (que é a mesma coisa).

Considere ainda, que cada ente familiar do passado seja um planeta que gira ao redor de um planeta maior, neste caso seria a sua cabeça (lembra da primeira consideração que falei sobre seu cérebro ser um planeta "Terra"?)

Pois bem, juntando todas essas informações teremos vários planetas menores (que são seus entes familiares) em órbita ao redor do planeta Terra (seu cérebro).

Mas é aí onde está o pulo do gato.

Para que nosso planeta Terra tenha as estações do ano acontecendo com perfeição, marés subindo e descendo nas datas certas, dia e noite, chuvas e dias ensolarados etc, os planetas precisam estar alinhados em harmonia entre si, concorda?

Legal!

A constelação familiar diz que se a sua vida tá em desordem significa que "os planetas estão desalinhados ao redor do planeta maior", o que causaria uma desordem em muitos aspectos como dois dias e uma noite, maré alta e depois mais alta de novo, furacões e terremotos juntos etc. Um caos.

E qual é a teoria de Bert Hellinger, o psicocientista que sacou a ideia toda?

Que para que sua vida entre em harmonia,  você precisa reorganizar esses planetas na mesma órbita da sua cabeça (que seria o planeta principal).

Daí que se chama Constelação familiar,  ou seja, seu próprio sistema solar de planetas, que, uma vez alinhados liberam uma energia quântica, capaz de facilitar e reinventar sua vida.

O realinhamento desses planetas acontece por meio de acessos às pastas arquivadas no seu cérebro

Essas pastas só são abertas através da emoção da pessoa interessada, porque a emoção desarma a razão (raciocínio) e consegue extrair arquivos que estão fora do lugar e prontos para causar um rebuliço danado na sua vida.

E o comando é dado como se você tivesse dialogando com seu ente familiar do passado ou mesmo do presente,  porque a memória dele estaria viva até hoje,  em alguma pasta guardada na sua mente.

Uma vez que você trabalha esse comando na sua cabeça,  estará colocando os planetas em irdem ao redor da sua cabeça (o planeta Terra principal)

E fatos que poderiam pipocar ou situações que já aconteceram e não deram muito certo passam a deixar de causar problemas, deixando você livre para viver melhor suas coisas, sem a interferência negativa dos entes familiares.

Ou seja, cada um cuidando da sua vida.

E com o realinhamento desses planetas (entes familiares) sua vida deslancha.

Agora entendeu o que significa constelações familiares?

 

 

 

 

Publicado por Rodrih às 22:16 | Link do post

Há algumas semanas conversando com um conhecido sobre as coisas da vida, toquei no assunto sobre mulheres, o quão é maravilhoso estar com elas, porque aprendemos tanto quanto ensinamos, além de sentirmos verdadeira alegria nos gozos de nossas existências, até mesmo quando elas são indigestas com cobranças intragáveis. Ainda assim, mesmo com essa "falha" - dentre tantas outras, é muito bom estar com elas. Então esse conhecido, um homem de idade avançada, experiente na vida profissional e não direi que também na vida pessoal, pois não conheço-o intimamente assim disse-me uma frase que me causou estranhesa e indiginação. Ele disse: "Mulheres são descartáveis". Isso ficou pulsando na minha cabeça, gerou conflitos e massageou meu ego, muito embora tenha mais gerado conflitos do que me confortado em minha postura machista hipócrita. Mulheres descartáveis? Como assim? Certamente ele deve ser muito frustrado com as mulheres em sua vida, ou foi muito bem servido por elas. Mas resolvi observar melhor as mulheres à minha volta e ver até que ponto essa afirmativa está correta e em que momento passa a ser equivocada. Se ele estiver se referindo àquelas com quem o homem transa, tem sexo e elas vão embora, então deveria incluir também os homens nessa afirmação. Os homens também são descartáveis, mais até do que as mulheres. Numa compraração irreverente e chula, porém de uma metáfora interessante, se voltarmos os olhos para  o gado, temos o boi e temos a vaca. O boi fornece a carne e o couro. Já a vaca fornece o leite, a carne e o couro. Sendo assim, a vaca tem mais utilidade do que o boi. A mulher tem muito mais potencial de transformação do que o homem. Além de ser a melhor pedida sexual, pois nela há, no mínimo cinco estimulantes sexuais (boca, mãos, seios, bunda etc), ela ainda pode muito mais. Já o homem tem menos atributos estimulantes, tornando-se tão descartável, quanto inútil. Mas, então porque as mulheres, em sua maioria, se permitem ser rechaçadas pelos homens, sendo descartáveis e não duráveis para usufruto de vida pessoal e social? A resposta para isso está no machismo que elas mesmas incumbem entre si. A teoria da mulher direita, que não transa no primeiro encontro, que é excelente dona de casa, ótima mãe ou profissional competente é uma grande farsa. Toda mulher precisa ser mulher para viver seus sucessos, precisa ser sensual para viver seu erotismo e precisa saber de seu potencial para ser feliz. Não é descartável porque a mulher é como uma ferramenta de trabalho, lavou tá nova. E isso significa que ela se renova, se reinventa com coisas simples. A frase não diz: "...lavou com shampoo da L'Oreal Paris fica nova e cheirosa.", mas diz apenas "lavou tá nova", o que conota que a mulher é prática, versátil, dinâmica e resiliente. Descartáveis mesmo são os homens, que nas guerras, desde os primórdios da humanidade as batalhas só tinham homens, todos morriam, e as mulheres eram cortejadas, ou mesmo raptadas, pois eram de muita valia tanto para procriar, como para os prazeres e serviços domésticos. Já o homem só servia para empunhar lanças, espadas e morrer em conflitos. Infelismente as mulheres modernas estão ficando modernas demais, e se masculinizando de alguma maneira. E sempre que a palavra "modernidade" esteve aliada com as mulheres alguma merda na história aconteceu. Os brincos, colares, saias e saltos nos sapatos eram apetrechos masculinos. A modernidade veio e as mulheres tomaram para si (a troco de pernas abertas, camas aquecidas) colares, brincos, saias e saltos nos sapatos. Não bastasse isso, hoje em dia há mulheres multifacetadas e masculinas que querem ter músculos nas academias, são híper independentes em casa, consertam, trocam, desempenam e instalam coisas elétricas, por exemplo. Se dão ao (des)prazer de estarem num show de garotos de programa - geralmente gays, para gritarem e falarem taras, que não têm coragem (nem intimidade) para falar com seus companheiros em casa. São sozinhas, enchem bares com rodas de amigas sozinhas, frustradas e que riem da vida para disfarçar a porcaria de vida masculina solitária que escolheram ter. Mulheres nos serviços militares! O que elas estão querendo provar? É, não são descartáveis, ou não eram, mas com essa modernidade toda estão ficando não só descartáveis, mas também desnecessárias. Já as que souberam ser mulher, souberam respeitar o limite da mulher feminina com a mulher masculina, são sensuais e buscam construir família, ainda que tenham que assumir a maternidade, casa e todo o lar, bom, essas não são descartáveis, pelo contrário, são procuradas, desejadas, tão valorizadas que, realmente, dentre tantas mulheres descartáveis modernas ficam difícieis de serem percebidas.

Publicado por Rodrih às 04:18 | Link do post

A Herança tanto pode ser genética, que é referente ao conceito biológico de herança de genes e doenças, também pode ser por herança informática, que é referente ao conceito de informática de orientação a objeto, há a herança no direito, que é referente à herança do ponto de vista jurídico. A herança é um bem, direito ou obrigação transmitidos por disposição testamentária ou por via de sucessão. E legado é tudo aquilo que se pode transmitir às gerações que se seguem. Essas duas palavras são muito interessantes para a reflexão que trago aqui. Herança e legado. Qual a herança você deixará a seus sucessores? E qual o legado deixará para os herdeiros? Sim, porque uma coisa é você deixar um tesouro e outra coisa é você deixar o manual de instruções para que esse patrimônio seja bem usado. Mas não estou me referindo a bens materiais, ainda que fosse, me refiro mais exatamente a valores, seus valores que falarão de você e dos seus feitos. Também não estou dizendo que deva ser algo gigantesco e notado por multidões, mas que seja grandioso e seguido por aqueles que acreditarem no seu modo de pensar e agir. Em 1998 eu construí um portal de estilo romano medindo quinze metros de altura e trinta metros de frente. Só o portão, todo em aço e ferro fundido media dez metros de altura por dois metros e meio de largura, sendo quatro peças dessas que abrem no sentido basculante - desses que usamos para abrir nossas portas de casas e escritórios. Eu pensava ter feito algo grandioso e perpétuo, mas estava enganado. O Coliseu, a Torre de Pisa, as Pirâmides, a Torre Eiffel, o Cristo Redentor e tantos monumentos enormes não fazem com que relembremos dos seus idealizadores e nem porque foram construídos. Há herança, porque é um bem, mas não há legado. Talvez o Cristo Redentor devesse olhar para cima e não para baixo, como se estivesse triste e não olhando para o povo do Rio de Janeiro, já que a Liberdade está olhando para frente, o horizonte, como não se deixasse abater por nada e seu olhar estivesse sempre fixado ao longe, no futuro. Para que a Torre Eiffel? Se há a Liberdade nos Estados Unidos e o Redendor no Brasil, na França poderia ter uma divindade humana, por que não? Pois'é, deixou-se a herança, mas e o legado? Acredito que nem Gustave Eiffel saberia ao certo responder qual legado deixou sua torre. Mas a partir de que momento devemos pensar em construir uma herança e promover nosso legado? Bom, se já não pensou nisso antes de ler este post, quem sabe resolva pensar no assunto e começar a planejar a partir de hoje? Eu me pergunto muito sobre isso: - Qual herança estarei deixando para o mundo, e se um dia eu tiver herdeiros diretos, do meu sangue, ou mesmo adotivos, qual herança os deixarei? E depois disso, qual legado seria deixado para que seguissem com sucesso meus passos? Não confunda legado com costume. Uma coisa não se justifica noutra nem se completam. Assim como costume não pode ser entendido como hábito. Cada coisa no seu lugar. O que é interessante nisso tudo é que as pessoas simplesmente vivem como formigas, sem se preocuparem com suas heranças e seus legados. Uns até vieram ao mundo para gastar a herança de alguém. A herança de um corrupto será uma vida de crimes e desordens no legado. Nada perde seu significado quando estas duas palavras são seguidas seriamente. Você poderá fazer o que bem entender para se dar bem na vida. Poderá até se fazer de vítima, inocente e jogar o mundo contra pessoas que te serviram.

Essa será sua herança, não importa o quanto trabalhe, o quanto prospere, mas aquilo que mudou o curso de sua vida lhe será cobrado através do seu legado. E aqueles que seguirem a sua cabeça, seus exemplos e os seus valores pagarão um alto preço por sua imprudência.

Nada tem mais valor do que o exato momento em que alguém ou alguma coisa, algum acontecimento mudou a sua vida. A vida não alivia para ninguém, e não aliviará para você, portanto pense sobre qual a herança você quer deixar para que os seguidores do seu legado possam ter uma vida plena e feliz depois que resolverem seguir seus passos, suas crenças, orientações, conceitos e valores. 

Publicado por Rodrih às 03:35 | Link do post
 
Com base no que aprendi arduamente durante os seis anos como um homem divorciado, montei um manual para quem atravessou a ponte dos descasados. É como desencarnar, isto mesmo, fechar os olhos e morrer para depois abrir os olhos e ver um mundo novo no qual você é a única pessoa responsável por sua sobrevivência diária. Não matará um leão por dia, mas dezenas, tudo em forma de autossabotagem. Portanto muito cuidado com o sentimento de bem-estar, de liberdade ainda que tardia. Humildade nessas horas é o seu antídoto. Você estará no berçário da vida sentimental, terá que reaprender a andar, a falar, a comer, e principalmente a sorrir. Este último é o mais difícil, apesar que você descobrirá que existem tipos e tipos de sorrisos, mas há somente um sorriso do qual você não conseguirá tê-lo consigo, que é o sorriso da pessoa apaixonada. Vai demorar um tempo, talvez anos para você sorrir esse sorriso novamente. Poderá acontecer de você sorrir apaixonada e descobrir que era autossabotagem, mas isso é uma coisa que você terá que incluir no seu reaprendizado e reinvenção. Agora que você se separou deixo quinze dicas e orientações para que você possa seguir a vida com o seu melhor e sem alimentar os monstros que, com certeza, irão tentar tirar você do sério.
 
1. Separada, eu?!
 
Use a expressão "recém-solteira" e nunca mais diga a expressão "separada" ou "recém-separada", porque tudo o que puder lhe deixar livre desse passado desgastante, inclusive as lembranças, você deverá fazê-lo. Sendo recém-solteira (vale para os homens também: recém-solteiro), você trata da delicada situação em que está passando de maneira bem humorada e também dará um recado aos desavisados, de que você está com a cabeça erguida, em harmonia e olhando pra frente.
 
2. Vou pra casa da mamãe!
 
Não, não vá para a casa de seus pais, este é um erro que deve ser evitado, mude-se para um espaço diferente, menor, quanto menor melhor para passar suas fases iniciais do baque da separação. Lá recomece em paz. Arrume do seu jeito, tanto pode parecer uma caverna inóspita, como pode ser uma casa de bonecas. É o seu cantinho, é seu cafofo, seu esconderijo. Desenvolva manias saudáveis como tirar os sapatos na entrada e calçar um chinelinho do cafofo para dentro, cultive uns vasinhos de hortaliças como coentro, cebolinha, salsinha, pimenta etc. Evite plantar flores, porque elas demoram vir, e quando vem logo caem e isso gera frustração. Compre flores que depois serão descartadas, preferencialmente quando você as deixar secar ao sol e depois batê-las no liquidificador com cascas de ovos secas. Será um adubo e tanto para suas plantinhas. Coloque apenas um tapete no chão ao lado da sua cama, também fique atenta de colocar um ou três travesseiros, mas nunca dois tapetes, dois travesseiros, dois criados-mudos etc. Tudo que energizar a ideia de casal você deve evitar. Dois copos não, mas três... ou um. É o seu momento egoísta, abuse dele por três meses, depois volte ao normal, isto é, se torne uma pessoa sensata e bondosa. 
 
3. Meu pet, minha vida...
 
Também evite esse tipo de companhia, porque deixará você tão isolada e tão dependente do bicho, que sua vida se tornará um poço de manias. Tá, tudo bem, eu disse para você ter algumas manias, mas que sejam saudáveis. Um animal de estimação nesses momentos não lhe será a melhor escolha, porque quando você precisaria estar mais íntima consigo mesma, estará íntima do bicho. Evite bichos que você possa pegar, como cão, gato, chinchila, tartaruga, papagaio etc. Prefira aqueles que você não pode pegar, como peixes de aquário, cavalos-marinhos etc. Será uma terapia importante para você entender que não deve ter um pet estando hiper-mega-ultra-super carente e sensível. Mas se quiser colocar potes com água doce e flores artificiais para atrair beija-flores para sua janela, isso será interessante.
 
4. Cinéfila, eu?
 
Assista a muitos filmes de aventura, ficção dentre outros, evite os filmes de comédia romântica. Drama é bom, pois camufla seu choro, que por um lado é pelo filme, mas pode ser que naquele momento você esteja precisando chorar. Preste muita atenção nas falas, tenha por perto um bloco de papel e uma caneta para anotar as falas que lhe soarem importantes, como pensamentos que você concorda ou estejam de acordo com seu modo de pensar e agir.  

5. Tô chapada! 

Evite remédios antidepressivos, a menos que você tenha consciência que lhe serão necessários para esses primeiros momentos, mas tenha mais consciência ainda de que você precisará parar com eles tão logo sentir-se capaz de lutar com sua própria cabeça, sua mente e sua força de vontade. Também evite outros tipos de fugas como tóxicos, entorpecentes e álcool. Ter vícios nessa fase é caminhar para a beira do abismo e viver sob a expectativa de cair infinito abaixo. Então tenha conciência disso e troque o vício pela condição necessária de ajuda. Muitos psiquiatras são toscos e só acreditam que remédio é o que dará a você vida harmônica, mas na verdade estarão transformando você numa zumbi-racional. Evite concordar com o que o psiquiatra acha que é o mais certo para você e lembre-se que ele também ganha quando você compra o remédio que ele receitar. Isso você verá nos filmes e tirará conclusões por si só.  

6. Tô online... 

Estar online é bom, mas o excesso é muito péssimo! Fique online para jogar algum joguinho que tire você da sua realidade e faça com que você se distraia. Mas evite a todo vapor o uso de whatsapp, facebook, instagram e google+. Vá para o twitter, pois lá você não tem muito espaço para poder falar o que quiser, senão o estritamente necessário. Eu particularmente detesto o twitter, mas ele tem lá seu valor nesses momentos. Para evitar whatsapp compre um celular daqueles que nem internet captam, você vai adorar a desintoxicação! Quanto ao facebook, tenha o privilégio e o enorme prazer de encerrar sua conta, mas deixe marcado que pretenderá retornar. Se quiser usar o instagram, faça isso fotografando a natureza por onde você passar, fotos de jardins, pássaros, borboletas etc. Experimente e verá que será uma experiência interessante. Nudes nem pensar, principalmente quando não tem ninguém para quem enviar. Não adianta insistir, não faça nem que diga que é para se ver, ainda assim não faça. Todas as vezes que se ver, por mais gostosa que estiver se verá sozinha sem ninguém confiável para te apreciar, então não vacile dessa maneira.

7. Comer fora?! 

Se você sempre cozinhou para o ex, então alterne e vá comer fora, encontre uma cantina ou pequeno restaurante familiar e almoce lá vez outra. Procure almoçar dia sim, dia não. Isso evitará que você tenha um gasto maior e ainda manterá sua saúde. E nos dias que não almoçar na cantina, então inove, almoce no seu cafofo, invente uma salada e se lambuze com ela e os temperos desidratados deliciosos, que você comprará na feira. Se você nunca cozinhou para o ex, então compre panelas de aço inox com tampa de vidro, entre no Google e pegue receitas daquilo que tem vontade de comer e nunca teve coragem de tentar fazer. Arrisque! Você irá gostar. Tenha sempre frutas fáceis de comer na geladeira, como maçã-fuji, mamão formosa, pêra, uva e pêssego. Se tiver ameixa vermelha melhor ainda. E fora da geladeira banana-prata, laranja-pêra e melão. Não tenha tudo de uma vez, porque enjoa ficar vendo e a vontade de comer vai embora. Se inventar de comprar muitas frutas saiba que será importante você reduzir o volume delas para 1/4 do que são, os outros 3/4 você deverá fazer uma salada de frutas com as dicas que você pegar no Google. Faça gelatina e deixe os pedaços das frutas imersos. 

8. TV e som?! 

Só televisão com DVD. Esqueça por um momento os telejornais e as novelas. A TV deverá servir apenas para você assistir a seus filmes, portanto esteja cadastrada em mais de uma locadora de filmes e amplie as variedades ou assine um canal de tv como a Netflix ou outro. Evite ter um som no cafofo, porque sempre passa aquela música que marcou um momento que precisa ser esquecido. 

9. Telefone fixo pode, né?! 

Em primeiro lugar mude o número, avise as poucas pessoas que merecem saber do seu novo número. Seu celular basta como meio de contato para você receber ligações. Se para ter internet será necessário ter telefone fixo, então use somente a internet do celular. Isso evitará que você fique sentada mofando na frente da tela de um computador a noite inteira. Vá por mim, tudo o que recomendo eu fiz o contrário, só me ferrei até entender que fazer o contrário do que eu estava fazendo (que é o certo como recomendo aqui) é que as coisas poderiam ter melhorado pra mim.  

10. Livros de autoajuda é uma boa né?! 

Depende. Pra você na fase em que se encontra não é lá essas coisas. A menos que o livro lhe remeta para renovar sua vida na balada, no guarda-roupas, na sensualidade, na autoestima e na organização pessoal. Há também recursos como meditação, métodos como ho'oponopono, além das orações diárias quando se levanta e quando for se deitar. Mantenha seu corpo fechado para não se perder demais no deserto que você estará começando a atravessar.

11. Reconciliar com Deus 

Sim, é uma opção muito boa. Faça isso, procure ficar de bem com Deus e todo seu reino celestial. Estando em paz espiritualmente os abalos sísmicos de sua fé não permitirá que você caia em tentação e se exponha demais ao ex ou aos amigos, não deixará você despirocar, nem deixará você fazer besteiras.  E se você achar que valerá a pena se envolver na comunidade, participar dos eventos, então vá, encare essa novidade e faça novas amizades.

12. Exercícios físicos é da hora? 

Sem dúvida, mas não exagere. Não queira entrar na academia para ficar bonita na foto, isso é autossabotagem e você com certeza irá abandonar essa ideia tão logo começar. Prefira fazer caminhadas, daquelas bem longas, que faça você cansar de tanto pensar. As caminhadas distantes começarão sempre com a cabeça cheia de pensamentos, raciocínios, mas num dado percurso seu cérebro cansa e você passa a ter uma caminhada mais saudável e leve. Evite fones de ouvido, pois é para evitar aquele lance das músicas e tal, a menos que você grave suas músicas. Se puder ouvir músicas clássicas ou aquelas de relaxamento será ótima pedida. Lembre-se que a caminhada deverá levar seu corpo à exaustão, preferencialmente se esta for feita no entardecer. E por que isso? Para que você realmente apague quando deitar para dormir. 

13. E se eu conhecer alguém... 

Tenha amores a tiracolo, mas nunca se entregue nesses momentos de travessia do deserto com o coração na bandeja. Divirta-se, beije, transe, faça até estrelinhas, mas não jogue com o seu sentimento e menos ainda com o sentimento da outra pessoa. Eu sei, é inevitável, mas não se iluda, porque você está frágil e carente. Aprenda coisas novas com esses novos amores, ensine coisas suas também. Tenha companhia para dar risadas e se divertir com alguém que goste de sua companhia, mas evite a todo custo declarações de amor como: "eu amo você", "eu adoro você", "eu sou louca por você" e evite também chamar a pessoa por apelidos carinhosos como: "amor", "amô", "mozão", "neguinho", "vida", "xuxu" etc. Chame pelo nome, seja realista e não piore as coisas nem torne seu relacionamento o vício e o erro da relação anterior. Seja mais prudente!  

14. Meu amigo é amigo do ex.. 

Afaste-se de todos os amigos que são amigos do ex. A menos que eles se afastem do ex e se aproximem de você. Se alguma amiga, por exemplo, chegar e dizer que viu o ex em tal lugar ou com tal pessoa, seja categórica e corte o assunto na hora, não seja educada nem boa gente. E se afaste dessa pessoa como o diabo se afasta da cruz, será a melhor coisa que você fará para sua vida ter foco e paz. Não tenha medo de afastar-se dessas amizades, mesmo que seja por um tempo necessário, será interessante para ver o quanto você tinha seu valor com cada um deles, e se perceber que ninguém te procura mais será porque você nunca foi interessante, então elimine-os de sua agenda de contatos. Lembre-se que você sempre fará novas amizades, isso será uma constante na sua vida. 

15. E minha família? 

Viva a intensidade de ter uma família para servir como seu refúgio e sua fortaleza, a menos que sejam pessoas difíceis de lidar. Se for, então escolha amigos ou novas amizades para você adotar como sua família. Mas lembre-se de sempre voltar para seu cafofo! Uma vez ou outra durma na casa de seus pais, mas que seja uma coisa rara. 

Pronto, espero que minhas dicas sirvam para você recomeçar sua vida, passando pelas tempestades e vendavais dessa primeira caminhada na travessia do deserto da separação conjugal.  

Boa sorte e tenha uma vida muito feliz!

Rodrigo Caldeira
Publicado por Rodrih às 21:25 | Link do post
Pontos vermelhos = acessos no mundo!
VISTO POR
fast stats
Get Voip Service
Comentários
Oi Bruno, eaê brow, situação complicada essa hein....
Dúvida muito pertinente :)
Eai irmão,Acontece comigo em meu trabalho, tenho n...
Vivo o mesmo que você.. 14 anos! Desejo que ele mo...
No final, eu também não entendi o que você quis di...
No final embaralhou tudo, ficou tonto.
Priscilla Vicente, obrigado por compartilhar sua f...
Rodrigo vivi 10 anos de tortura com um misógino,ma...
Obrigado por comentar e interagir! É mágico quando...
Muita coisa faz sentido né, muita coisa não perceb...
O-bri-ga-do por comentar e fico feliz por ter gost...
Obrigado gatinha pelo comentário, por ler constant...
Caro Fulanão, obrigado por ler e apreciar o post s...
Olá Anônimo, boa noite, obrigado por comentar, mas...
Ops, dedo nervoso clicou em aprovar e pluft, foi-s...
Ligação foi interrompida por outra que pessoalment...
Texto muito interessante, e acredito que muitas co...
obrigado pelas dicas, vou começar agora em 2017 eu...
Rodrigo, precisei comentar aqui pra agradecer pelo...
Pois eu desejo a você, Rodrigo das Águas mais limp...
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar
 
Posts mais comentados
Mensagens
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
SAPO Blogs